quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Sabedoria das Lagartixas


Série: Sabedoria
Mensagem do dia 15/09/2016 (Quinta-feira/Culto de Oração) – Igreja Batista Mandacaru

“Há quatro coisas na terra que são pequenas, mas extremamente sábias... e as lagartixas, que qualquer um pode pegar com a mão, mas podem ser encontradas até nos palácios dos reis” (Provérbios 30.24 e 28).

Dos quatro amimais (formiga, coelho e gafanhoto) a lagartixa foi de longe, o exemplo mais difícil de entender e explicar. É um bichinho que nem se defende, não tem nenhum esquema de auto-defesa perigoso, não tem espinhos, nem veneno, nem forças para reagir e nem muita velocidade para fugir. No máximo, elas largam um pedaço da calda para fugir dos perigos. Chega a ser hilário, não é?

O Texto afirma: “qualquer um pode pegar com a mão”. Mas pense bem: Este bichinho pequenino pode ser encontrado tanto nas piores, como nas melhores casas e você gostando ou não delas, uma coisa é fato – não conseguimos mantê-la fora. Elas sempre arrumam um jeitinho para entrar. Como se não bastasse, sabemos que se alimentam de insetos como os pernilongos e mosquitos, o que significa que estes estão nestas casas também. Lugar nenhum é seguro o bastante para elas não conseguirem entrar. Com as lagartixas podemos aprender algumas lições importantes.

1ª Lição: Não precisamos de grandes poderes, para termos grandes resultados.
Eu fico tonto vendo pessoas que não se contentam com o que Deus lhe deu e querem mais, sempre mais. Imitam outros por inveja, querem competir por vaidade, querem a qualquer custo que todos vejam que é o melhor (mesmo que não seja). Querem coisas que não precisam, para agradarem pessoas que nem gostam. E tem aqueles ainda que querem sinais e milagres, querem algo “novo” para ver, querem revelações e profecias, o foco fica no “EU” e não em DEUS. Interessante é que tem uma coisa só eles não querem, o que Deus quer.

Todos nós temos uma capacidade que muitas vezes não usamos, podemos ficar felizes com o que Deus nos deu, pois Ele nos capacita e equipa com dons e talentos necessários para cumprirmos os Teus ricos propósitos. Tudo começa no dispor e Deus espera isso de você e de mim. Independente de suas habilidades e capacidade, dispõe-te nas mãos do Senhor e ELE o usará.

2ª Lição: Podemos chegar em qualquer lugar e não precisamos de grandes poderes para isso.
Assim como as lagartixas, podemos ter aparência de fracos, podemos até não ter muita força ou velocidade como os "maiorais", mas podemos entrar nos lugares mais secretos e avançar e levando o Evangelho de Cristo em “qualquer casa”, pois Deus nos conduz através do Espírito Santo. Nós podemos ser instrumentos de Deus na vida de muitas pessoas e isso é um grande privilégio, ser usado por Deus.

Sejamos sábios com o que Deus nos deu e talvez (eu disse talvez), Ele nos dê algo a mais. “Porque toda boa dádiva e dom perfeito vêm Dele” e com certeza nos deixará equipados de acordo com o que Ele acha suficiente e necessário para atingirmos os Teus propósitos. Onde você já se imaginou chegar? O que você já se imaginou fazendo? Peça a Deus e ELE o levará e lhe ajudará neste intento.

Conclusão
Portanto, é fato consumado de que não precisamos de “super-poderes”, precisamos sim do caráter que Cristo aprova e de uma vida de intimidade com o Senhor de bom testemunho e ousadia. E tal como as lagartixas estaremos sendo vistos nos lugares menos esperados, conquistando simpatias e sendo relevantes. Seja em palácios, em casas simples ou até mesmo em barracos caindo aos pedaços. Isso não importa! Em todos os lugares há vidas para abençoar e este é o propósito de termos sido resgatados por Cristo – Anunciar o Teu Evangelho para honra e glória do nome Santo de Jesus. Aprendamos com as lagartixas!

Eu não quero estar preso por minhas limitações pessoais, quero ser instrumento nas mãos de Deus e à critério DELE desejo ser relevante, quebra minha vida, molda e usa. Em nome de Jesus. Amém!


No amor de Cristo, Pr Paulo Berberth

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, deixe seu comentário!
No Amor de Cristo,
Pr Paulo Berberth