sábado, 10 de outubro de 2015

Verdadeiramente Discípulos



O Evangelho de João – “Verdadeiramente Discípulos”
Mensagem do dia 10/10/2015 (Dom/Noite) – Igreja Batista Central em Cascavel
Texto: João 8.31-59
Introdução
Como já sabemos, e foi mencionado, o Evangelho de João não faz parte dos sinóticos. João faz teologia e não biografia, como é o caso de MT. MC. e LC. A Tese de João é provar a divindade de Jesus e por isso o evangelho tem um “prólogo”, um resumo de sua obra (1.1-18). Depois vem o que chamamos de períodos, são 3 períodos.

1º.   O período da consideração (1.19 - 6.71) – Jesus é apresentado como o Filho de Deus. Jesus se revela como o Messias, o Cristo, aos discípulos, judeus, samaritanos, aos líderes judeus e também aos gentios e a multidão, realizando os 5 primeiros sinais, mas também João mostra que ainda não estava na hora de Jesus ser glorificado. V. 2.4: “Ainda não é chegada a minha hora”.

2º.   O período de conflito (7.1 - 12.50) – Nos capítulos 5 e 6 encontramos o início da oposição de dos judeus contra Jesus. Mas é à partir do capítulo 7 ao 12 que a coisa fica mais intensificada. Os judeus viram os sinais de Cristo e ouviram Sua pregação; agora começa seu conflito com Cristo acerca de Moisés, de Abraão, da sua alegação de ser o Filho de Deus e acerca do seu poder. Mas por via das dúvidas, “Ninguém lançou mão dele, porque ainda não era chegada a sua hora” (7.30).

3º.   O período de clímax (13.1 - 21.25) – E por fim o 3º período O período de clímax (13.1 - 21.25). Quando inicia a preparação para a Cruz, a contínua incredulidade dos judeus, a crucificação, ressurreição e as aparições de Jesus ressurreto. “Sabendo Jesus que já era chegada a sua hora” (13.1); “Pai, é chegada a hora” (17.1).

Estamos bem dentro deste período de conflitos (oposições, abandonos, incredulidade). Muitos já tinham abandonado a fé e Jesus. Nós percebemos que foi bem isso mesmo. Jesus veio e desconstruiu toda a religiosidade, ritos, crenças, superstições, quebrou vários paradigmas sociais e religiosos, fez uma releitura da lei, ou melhor, implantou a nova aliança e a colocou como superior à que existia. Por todas essas razões, fora odiado pelos que não creram em suas palavras e por isso desejavam mata-lo e assim o fizeram. No capítulo 7 Jesus é a agua viva no 8 Ele é A LUZ DO MUNDO (vv. 12-20); e O LIBERTADOR (vv. 21-59).

ü  Jesus nos livra de que? Porque? Do que temos que ser libertos? Você já foi liberto?


& João 8.31-32: 31 Disse Jesus aos judeus que haviam crido nele: "Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. 32 E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará".

Jesus deseja alcançar muitos que ainda não foram libertos. Também Jesus deseja o crescimento e o desenvolvimento na fé de todos nós. O nosso objetivo deve ser atingir a maturidade de Cristo. A fé salvadora não é volúvel, nem instável, ou mutável, mas é firme, constante e estabelecida. Não pode haver lugar para dúvidas, por isso, de forma prática a fé em Jesus Cristo se expressa em total e pleno comprometimento com a Verdade, com ELE.

Jesus conhecia os corações daqueles que “supostamente” creram Nele (8.30). E faz uma espécie de teste para comprovar se eles verdadeiramente estavam dispostos a serem seus discípulos.
Há no texto uma progressão desta ideia: “Aquele que já foi liberto, conhece a Verdade e permanece firme na Palavra de Jesus”

Veremos Três requisitos básicos para ser UM VERDADEIRO DISCÍPULO DE JESUS.

I. Se Permanecer Firme na Palavra.
O texto diz: "Se vocês permanecerem firmes na minha palavra”. Eis nosso primeiro requisito. Permanecer firme na Palavra.

Permanecer nas palavras de Jesus significa “aceitar”, “concordar”, “aderir”, “tomar para si”, “ater-se” não apenas em alguns momentos, ou quando for conveniente, mas sempre, continuamente e completamente às Suas palavras. E então, à partir daí, passar a ter a vida orientada, dirigida, guiada por ela. Obediência perseverante à Escritura é o fruto, ou a evidência de uma fé genuína e verdadeira. O salvo frutifica porque é natural aparecer os frutos do arrependimento, com isso, tem o seu viver pautado pela Palavra, tornando-se testemunha para os não alcançados.

O poder com que Jesus falava já levaram alguns aos seus ouvintes judeus e crer nele (v.30), mas como estamos falando, para ser discípulo precisa mais do que apenas dizer que crê, ser discípulo é algo constante e duradouro. É muito mais do que um estilo de vida, torna-se parte da essência do cristão, faz parte do seu ser, após sermos transformados pelo Espírito Santo. Ele adere com firmeza aos ensinos de Jesus, obedece, aplicando-os em todas as situações do dia à dia.

Mas será que isso é o que vemos no texto? Ou seja, pessoas fiéis e dedicadas às palavras de Jesus? Não, infelizmente não é o que vemos, nem antes dos vv. 31-32, e nem a seguir nos vv.33-59. Percebemos o tempo todo pessoas incrédulas, com ódio e apegados aos seus ensinos tradicionais. Veremos em breve, que eles não queriam abrir mão de suas tradições e crer de fato na Verdade.

Contudo, aprendemos que um discípulo verdadeiro está em sintonia com a instrução do seu Mestre, por isso PERMANECE firme NELA, na Palavra. A considera, não apenas lê, mas vive, pratica.

  • Você PERMANECE firme na Palavra? Ou continua vivendo a vida conforme seu próprio coração? Seja verdadeiramente um discípulo de Jesus.

Entramos no segundo requisito para ser verdadeiramente um discípulo de JESUS.

II. Aquele que Permanece Firme na Palavra, o faz, por Conhecer a Verdade.
Há uma razão para permanecer firme na Palavra. O CONHECIMENTO DA VERDADE, do evangelho de Cristo. A palavra torna-se regra de fé e prática do discípulo. O que Jesus ensinava era a verdade. Seus discípulos, prestando-lhe atenção, estavam recebendo a verdade. Uma crença falsa mantém a mente das pessoas em escravidão; A verdade a liberta. Por isso, antes, é necessário Conhecer a Verdade.

Olhando para texto, vamos analisar os diálogos de Jesus com os judeus. Ainda no mesmo capítulo, desde os v. 12, encontramos um povo arredio e cheios de conflitos.

  • Que duvidam do testemunho de Jesus, (17-18), Na lei dos judeus precisacam de 2 testemunhas para ser verdadeiro o testemunho. Mas diz Jesus que o próprio Pai testemunha DELE. Diz Jesus ainda “Não conhece a mim e nem a meu Pai” (19).
  • V.23 “Vocês são daqui eu sou lá de cima. Sois deste mundo eu não”.
  • V. 24 “Morrereis em vossos pecados porque não creem que EU SOU”. Comparando-se a Deus, *** Moisés – “Diga que o EU SOU te enviou”.
  • Eles não entendiam nada do que Jesus falava, v 27; - coração duro!
  • Vv 28-29 – “Quando levantares o Filho do Homem, sabereis que EU SOU. Não estou só”, meu testemunho é verdadeiro”

Embora encontramos no v. 30 dizendo que “ao dizer essas coisas, muitos creram nele”, comprovamos que:
  •  Abraão. Vv. 33-38 – Era um grande paradigma. Jesus disse serem “escravos”, escravos do pecado. E eles pensavam ser livres por se considerar “filhos de Abrão”;
  • Vv. 39-40 – Mas Abraão não agiu como eles estavam agindo e Jesus pegou ainda mais pesado, “vocês não são filhos de Deus”
  • V. 42 – “Se Deus fosse realmente vosso Pai, vocês me amariam. Pois eu vim DELE”
  • Vocês são filhos do diabo, porque fazem a vontade dele, ele é mentiroso, assim como vocês são mentirosos e não creem em mim. 44 – Porque?
  • V. 45 – Não creem em mim, porque eu digo a verdade. / “Para você ter inimigos, basta dizer a verdade”
  • V. 47 -  Quem é de Deus ouve as Palavras de Deus.
  • Eles diziam que Jesus tinha demônios, disseram isso, mais 2 vezes – em 48 e 52.
  • Vv. 49-51- Jesus: Não busco a minha própria glória.
  • Vv.53 – 59: No texto há muita tensão, este trecho, Jesus consegue fazer com que eles botem para fora o que realmente estava em seus corações, refiro-me àqueles que supostamente diziam ter crido Nele, mas que não estariam dispostos a serem seus Discípulos.
  • V. 53 – “És maior do que nosso Pai Abraão que morreu? Também (és maior que os profetas) que morreram. Quem pretendes ser? Quem você pensa que é?. Disseram isso por causa do v. 51: “Em verdade, em verdade vos digo que se alguém guardar a minha palavra, não verá a morte eternamente”.
  • V. 55 – “Vocês não conhecem a Deus, EU conheço e guardo suas palavras”
  • V. 56 – “ Vosso pai Abraão alegrou-se por ver o meu dia; ele o viu e regozijou-se”

Isso os deixou ainda mais nervosos (V.57) e então Jesus concluiu dizendo:
  • V. 58: “Em verdade, em verdade vos digo que ates que Abraão existisse, EU SOU”. Mais uma vez JESUS chama a si mesmo de o EU SOU.
  • Eles apanharam pedras para atirarem Nele (v.59).

João mais uma vez aparece defendendo sua TESE. JESUS é Deus. É maior que o pai Abraão. Por isso que aquele que permanece firme na palavra, o faz por conhecer a verdade.

Quem é a Verdade? Jesus é a verdade. Ele mesmo se chamou assim em João 14.6: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim”. Vivemos num mundo onde a VERDADE passou a ser RELATIVA. Não existem mais absolutos para o Mundo.

O pecado por exemplo, deixou de ser pecado, ou tudo depende de um ponto de vista, a Bíblia também é relativa, depende de como você a vê e interpreta. Mas com Jesus não é assim. Jesus é A VERDADE e não UMA VERDADE. Portanto, trata-se de uma verdade absoluta, não há variações ou inverdades em Jesus. ELE é a Verdade.
E “Sem a Verdade não há como saber”.  Só conhecendo a Verdade é que você conhecerá o verdadeiro e único caminho que lhe conduzirá à vida, ao Pai.

  • Você conhece a VERDADE? Vive para a verdade? Ou vive de maneira relativa?

Vimos que 2 requisitos para ser um verdadeiramente um discípulo de JESUS, este é o 3º e último:

III. Ao Permanecer Firme na Palavra e Conhecer a Verdade, Verdadeiramente está Liberto.
V. 32: “E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará". Gosto muito de afirmar que a lógica de JESUS é contrária a do Mundo. E este é o paradigma do evangelho. “Para ser livre é necessário se fazer servo, escravo”. A liberdade está na escravidão, na obediência ao FILHO. V. 36 diz: “Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres”.

Mas quem é escravo do pecado, não é livre. O discípulo do Senhor Jesus genuinamente salvo e obediente conhece a verdade divina e a liberdade do pecado (v.34). Embora, o salvo peque, não é mais escravo do pecado. Porque fora liberto pela Verdade.

Se lembrarmos qual é o significado de “verdade” neste evangelho, onde o conceito é personificado no próprio Jesus, concluiremos que, para que seus discípulos conheçam a verdade, “eles precisam não só ouvir suas palavras, mas de alguma forma estar unidos com aquele que é a verdade, Jesus Cristo, o Filho de Deus, o Próprio Deus”.

  • Você já foi liberto por Jesus? Sua vida de maneira prática, reflete a liberdade do pecado? Reflete ao mundo como é ser livre e viver como um escravo de Jesus?

CONCLUSÃO
& João 8.31-32: 31 Disse Jesus...: "Se vocês permanecerem firmes na minha palavra, verdadeiramente serão meus discípulos. 32 E conhecerão a verdade, e a verdade os libertará".

Jesus deseja que sejamos seus discípulos. Ele Liberta da prisão do pecado, do engano, da ignorância, da cegueira espiritual, todos aqueles que creem em sua Palavra e considera verdadeiramente seu discípulo todos aqueles que permanecem na Palavra, sendo perseverantes e frutíferos, demonstrando verdadeiramente que conhecem a VERDADE e foram por Ela, libertos.

Um dia eu estava nesta situação. Numa vida de pecado e ignorância espiritual. Cego e perdido no mundo. Valorizando coisas que não tem valor eterno apenas passageiro. Mas Jesus olhou para mim e me salvou, me libertando das garras do inimigo. Ele deseja libertar ainda muitos que continuam nesta terrível prisão.

  • O que você fará com estas informações?

Ajude todos aqueles que vivem na escravidão, conhecerem a VERDADE, conhecerem JESUS, a Palavra, o Caminho, a Verdade e a Vida. A luz do mundo e a fonte de águas vivas.

No amor de Cristo, Pr Paulo Berberth

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, deixe seu comentário!
No Amor de Cristo,
Pr Paulo Berberth