domingo, 21 de setembro de 2014

PERDENDO PARA GANHAR – 01


PERDENDO PARA GANHAR – 01
Mensagem do dia 21/09/2014 (Domingo/Noite) 
Igreja Batista Central em Toledo
Série: Os Provérbios de Jesus – 03

NVI: “Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará” (Mateus 10.39).

NTLH: “Quem procura os seus próprios interesses nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo, porque é meu seguidor, terá a vida verdadeira”.

A MENSAGEM: “Se a prioridade de vocês é cuidar de vocês mesmos, jamais irão se encontrar. Mas, se vocês se esquecerem de vocês mesmos e me buscarem, irão encontrar-se e a mim também”.

INTRODUÇÃO
Esta é a matemática de Deus. O menos é mais. Para o mundo quanto mais perde, mais perde e quanto mais ganha, mais ganha. Mas para Deus é o contrário, para Deus “quem perde, ganha!”. Muitos ao longo da história morreram “literalmente” por Cristo, Estevão foi um deles. Ainda hoje temos muitos irmãos em alguns países que estão morrendo por causa de sua fé professada no NOME de JESUS. Mas antes da morte física, essas pessoas tiveram uma primeira morte, uma morte espiritual, por isso, é necessário o “EU” morrer para que uma nova vida surgir em Cristo.

Este provérbio paradoxal exige por parte do leitor, para ele entender os dois tipos de vida que Jesus se refere. Estão em contraste a “vida mundana” e a “vida eterna”: Quem escolher a primeira perderá a segunda. Por outro lado, mesmo que se perca a primeira para obter a segunda, na verdade nada foi perdido. Aquele quem escolhe viver a vida com Cristo, nunca perderá. Somente os que têm fé estão prontos para entender e atender este aforismo (máxima) de Jesus. Que revela: “É o compromisso verdadeiro com Jesus que transforma a renúncia do que é passageiro em ganho eterno”.

Uma coisa curiosa, mas para efeito de conhecimento: Este provérbio de Jesus aparece seis vezes nos evangelhos, das seis vezes, apenas quatro possui a expressão “por minha causa”. Sendo que Jesus os pronunciou em quatro situações distintas, vejamos:

No discurso missionário, mencionando as dificuldades e as recompensas por servir Jesus (Mateus 10.39).
No discurso sobre o custo, o preço de ser discípulo de Jesus (Mateus 16.25; Marcos 8.35; Lucas 9.24).
No discurso sobre a volta do Filho do Homem (Lucas 17.33).
No discurso aos gregos gentios quer queriam ver Jesus (João 12.25).

O sentido básico que se apresenta em todos os contextos é que: “por Jesus, o perder é ganhar”.

Nós veremos os quatro contextos, divididos da seguinte maneira:

PERDENDO PARA GANHAR...
1. UM LEMA MISSIONÁRIO
2. COMPREENDENDO E IMITANDO JESUS
3. DESLIGANDO-SE DO QUE É PERECÍVEL
4. TOMANDO POSSE DA VIDA PELA RENÚNCIA

PERDENDO PARA GANHAR...
1. UM LEMA MISSIONÁRIO (Mateus 10.39)

“Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará” (Mateus 10.39). Estas são as últimas palavras do sermão missionário que Jesus aplica aos enviados e comissionados. Jesus escolhe os doze e logo de inicio joga limpo com eles... “Se quiserem me seguir saibam que...”

·         Haverá perseguições – “Eu lhes envio como ovelhas entre lobos” (Mt 10.16-23).
·         Haverá incompreensão – “Pois eu vim trazer divisão entre seus familiares” (Mt 10.34-36).

Ser pastor, missionário(a) não é nada fácil. Não é para qualquer um. E não é qualquer um que responde ao chamado de Cristo. Mas uma coisa é certa, dificuldades existirão para todos aqueles que decidirem servir Jesus e proclamar o Evangelho. Jesus sabia disto, e por isso mesmo anima os discípulos (vv. 26-33) dizendo: “Não temas... Deus cuidará de todos vocês... Portanto, me confessem diante dos homens... e eu confessarei diante de meu Pai... quem me negar diante dos homens... também negarei diante de meu Pai que estás nos céus” (vv. 32-33).

Nos vv.34-38 vemos que: Confessar Jesus pode gerar conflitos familiares; A prioridade é Cristo, “... quem amar mais pai, mãe, filho ou filha do que Cristo, não será considerado digno”; e vemos também que a Cruz é a prova de amor do discípulo por Cristo. Disse Jesus: “e quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim”. A renúncia é primordial no cristianismo. Quem não renuncia a si mesmo, não será considerado digno por Cristo. Ou seja, não encontrará a vida plena e eterna que somente pode ser encontrada em Jesus (v. 39).

Em tudo isto se algum discípulo quiser “preservar-se”, estará perdendo a vida eterna. Mas se estiver pronto para morrer por sua fé no Senhor, encontrará a vida eterna. Porém, neste caso, ser fiel ao Senhor, sempre equivale a morrer figurada ou literalmente. É nesta morte que o discípulo encontra a vida. Os relacionamentos humanos mais íntimos e profundos tornaram-se secundários; a própria personalidade e interesses pessoais do discípulo cedem lugar exclusivamente para o Senhor. O eu não tem mais direitos e nem vontades, agora está condicionado à vontade do Pai.

O cristão tem que dizer como o apóstolo Paulo disse em Gálatas 2.20: “Fui crucificado com Cristo. Assim, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim. A vida que agora vivo no corpo, vivo-a pela fé no filho de Deus, que me amou e se entregou por mim”.

Este é o paradoxo do Evangelho, a verdadeira liberdade é viver para Cristo, a verdadeira vida está na morte pela fé em Jesus. “A vida está na Morte e a liberdade está na escravidão”.

Poderia dizer que a missão de pregar o evangelho é uma missão “suicida”; aquele que se rendeu a Cristo está morto para o mundo e vivo para Cristo. “Não vivo mais eu, Cristo vive em mim e agora vivo pela fé no Filho de Deus”.

Todavia, aqueles que têm algo a perder nesta vida, não se arriscam por Cristo e acabam perdendo a vida eterna. Perde a vida eterna todos aqueles que não morrem para si mesmo, para o mundo ou até mesmo para os familiares. Aquele que prefere viver sua vida, a perderá. Aquele que perder sua vida por causa de Cristo, a encontrará.

ü  Todo cristão é considerado por Cristo um missionário. Portanto, Viva para Cristo!

PERDENDO PARA GANHAR...
2. COMPREENDENDO E IMITANDO JESUS (Marcos 8.35 / Mateus 16.25 / Lucas 9.24)

No versículo 29, Jesus perguntou: “Quem dizes que eu sou?”. Pedro respondeu: “Tu és o Cristo”. Esta confissão de Pedro foi a maior descoberta de todos os tempos. Porém, houve a necessidade de adicionar a esta descoberta outra revelação bombástica de Jesus, ou seja, a partir do versículo 31 Jesus diz que este “Cristo, sofreria muito, seria rejeitado, deveria morrer e depois de três dias ressuscitar”. Isso significa que não bastava apenas saber quem era o Cristo, mas também entender qual era a sua real missão, para que Ele veio, o que Ele passaria por amor dos pecadores.

Pedro e os onze não concordavam com o tipo de Cristo (Messias) que Jesus planejava ser (v. 32). Jesus repreendeu-os (v. 33) e, chamando também a multidão começou a ensinar que como o Cristo devia morrer, assim também os discípulos dele precisavam morrer. "Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me” (v. 34).

A cruz aparece novamente (como em Mateus 10), sendo prova de amor e também símbolo de vida através da morte. Nos outros textos paralelos mencionados outrora, MATEUS 16.25 e LUCAS 9.24, também é mencionada a Cruz, fala sobre negar a si mesmo e tomar a cruz.

Mas para os judeus a CRUZ era símbolo de fracasso, de fraqueza, de humilhação e não de vitória, poder e glória. Até porque, eles esperavam outro tipo de Messias. O Messias prometido viria em glória, como um grande rei que tomaria o poder novamente em Jerusalém. Mas este Cristo, este Jesus, passava a imagem de um Messias derrotado, sem poder nenhum. É por isso que a morte de Jesus não era aceita por eles. Como o Cristo iniciaria seu Reino se fosse morto?

Por isso, não basta saber quem é Cristo, é preciso também compreender o seu propósito e sua obra de salvação, e então, imitá-lo. Não há cristianismo sem Cruz. Não há cristianismo sem Jesus. Não há cristianismo sem morte. Por quê? “Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará” (v. 35).

Só aqueles que perdem a vida por causa de Cristo é que recebem a vida eterna, até porque, Jesus nos vv. 36-37 diz: 36 ... que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? 37 Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma?”.

Este é o custo, é o preço de ser discípulo de Jesus. Se confessarmos que Jesus é o Cristo, devemos aceitar e entender que assim como ele morreu, nós também morreremos com ELE , para servi-lo e honrá-lo. Não há outra forma de se viver o cristianismo puro e verdadeiro. Embora, alguns se dizem cristãos, servem outros deuses, outras pessoas, instituições, servem a si mesmos, mas não à Cristo. Não tem como servir a dois senhores, pois desagradará a um e agradará a outro.

ü  Todo cristão imita a Cristo. Portanto, Tome sua cruz e siga a Cristo!

Ainda veremos mais dois contextos:
PERDENDO PARA GANHAR...
3. DESLIGANDO-SE DO QUE É PERECÍVEL (Lucas 17.33)
4. TOMANDO POSSE DA VIDA PELA RENÚNCIA (João 12.25)

No amor de Cristo, Pr Paulo Berberth


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, deixe seu comentário!
No Amor de Cristo,
Pr Paulo Berberth