quarta-feira, 16 de julho de 2014

JUDAS – Batalhar pela fé – 04

Mensagem do dia 16/07/2014 (quarta-feira) – Igreja Batista Central em Toledo

3 Amados, embora estivesse muito ansioso por lhes escrever acerca da salvação que compartilhamos, senti que era necessário escrever-lhes insistindo que batalhassem pela fé uma vez por todas confiada aos santos. 4 Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor” (Judas 1.3-4).

Uma preocupação de Judas. Batalhar pela fé. Mas porque devemos batalhar pela fé? No versículo 4 Judas explica a razão da peleja. Ele diz que “certos homens infiltraram-se dissimuladamente no meio da igreja, ele diz que são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem, e ainda negam Jesus Cristo, que é o nosso único Soberano e Senhor”. Vamos analisar por partes.

A batalha é legítima. Hoje em dia vemos pessoas batalhando por coisas que não deveriam batalhar. Brigando por coisas que não deveriam brigar. A igreja tem virado uma espécie de “octógono”, onde as pessoas disputam entre si por poder e por causa da vaidade enquanto as coisas realmente importantes são deixadas de lado. Eis uma boa pergunta: Que batalha você luta? Judas é bem claro, ele queria escrever sobre coisas mais agradáveis, sobre a salvação, sobre a vida cristã, mas ele sentiu esta necessidade de “... escrever-lhes insistindo que batalhassem pela fé uma vez por todas confiada aos santos”.

O que é batalhar pela fé? O que nos leva a batalhar pela fé? O que nos faz entrar nesta batalha? Ou o que faz fugir dela? Mas no contexto de Judas: Qual era a sua preocupação ao insistir e incentivar a batalhar pela fé? Penso que em primeiro lugar, Judas tinha medo que os crentes fossem contaminados e influenciados pelas heresias, assim como pelos comportamentos imorais dos homens que ele diz ter “... se infiltrado dissimuladamente no meio deles”. E se tornassem apóstatas também. Abandonassem a fé e a sã doutrina outrora ensinada.

Em segundo lugar, acredito que Ele queria incentivar a perseverança e a firmeza na fé com Cristo. A perseverança é um ingrediente extremante necessário para conseguir lutar pela fé. Não desistir, não se desviar, nem para a direita e nem para a esquerda. Não sair do caminho, não ter a mente e o coração persuadidos. Por isso, eles deveriam ter convicção do Evangelho que lhes foram ensinados e pela prática da sã doutrina. Pela verdade do Evangelho. Por causa de Cristo.

O combate deveria ser contra as heresias e imoralidades, não contra pessoas. Não contra pessoas, mas contra a teologia herética e o comportamento imoral, porém, ele mostra quem são estes homens leiamos o v.4: “Pois certos homens, cuja condenação já estava sentenciada há muito tempo, infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Estes são ímpios, e transformam a graça de nosso Deus em libertinagem e negam Jesus Cristo, nosso único Soberano e Senhor”.

Já estão condenados. Porque eles já estão condenados? Leiamos João 3.17-18: 17 Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. 18 Quem nele crê não é julgado; o que não crê já está julgado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.


Infiltraram-se dissimuladamente no meio de vocês. Eram falsos mestres, aparentemente pareciam bons e verdadeiros cristãos, mas tinham a intenção de desviar o povo de Deus (Cf. Mt 7.15; At 20.29; Gl 2.4-5; 1Tm 4.1-3; 2Pe 2.1, 20;  1Jo 2.18-23). Esses apóstatas eram fraudes de satanás que, muito provavelmente se passavam por mestres itinerantes (Cf. 2Co 11.13-15; 2Pe 2.1-3; 2Jo 7.-11).

Eram ímpios. Literalmente “homens sem Deus” ou “sem adoração”. A falta de reverência deles a Deus era demonstrada pelo fato de que eles se infiltraram na igreja de Deus para corrompê-la e se apoderar dos bens das pessoas v. 16: “são aduladores dos outros, por motivos interesseiros”.

Deturpavam a Graça. Eles “... transformam a graça de nosso Deus em libertinagem”. Libertino é aquele que literalmente possui um “vício desenfreado”. Descreve o estilo de vida desavergonhado de quem irreverentemente abusa da graça de Deus ao entregar-se sem reservas à imoralidade descarada. Conforme Romanos 6.15: “E então? Vamos pecar porque não estamos debaixo da lei, mas debaixo da graça? De maneira nenhuma!”. O verdadeiro cristão não vive pecando, embora peque, ele deseja fazer a vontade de Deus, ele não quer fazer a graça de Deus vã em sua vida.

Negavam a Jesus Cristo. Negaram Jesus, por não crer, porque eram ímpios, eles eram falsos, se faziam de cristãos, mas não eram. Com isso, negaram a Cristo, disseram não a ELE. Jesus, o nosso único Soberano e Senhor”. Judas conclui dizendo quem é Jesus. O único Soberano e Senhor. Jesus é Deus, não é um deus, é DEUS, é o Soberano e é também o Senhor, aquele que é digno de honra. Por isso, com sua conduta perversa, os apóstatas não reconheciam Cristo como Senhor Soberano e desprezavam Jesus como Senhor honroso. Os apóstatas, os falsos mestres e as falsas religiões sempre deturpam o que a Escritura declara que é verdadeiro a respeito do Senhor Jesus Cristo e seus ensinamentos.

Portanto, assim como os crentes daquele tempo, nós também temos que estar bem preparados e batalharmos pela fé.


No amor de Cristo, Pr Paulo Berberth

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, deixe seu comentário!
No Amor de Cristo,
Pr Paulo Berberth