domingo, 8 de junho de 2014

O Sentido para a Vida


O Sentido para a Vida
Mensagem do dia 08/06/2014 (Domingo/Noite) 
Igreja Batista Central em Toledo

Introdução
Hoje quero fazer uma reflexão sobre este tema. Há muitos dilemas e dúvidas sobre “o sentido da vida”. Há muitas perguntas sem respostas, há perguntas com muitas respostas e há respostas que nem sempre são satisfatórias. Perguntas difíceis que influenciam direta ou indiretamente na busca para encontrar o sentido da vida, como:
·         Deus existe?
·         De onde viemos?
·         Para onde iremos?
·         O que acontece após a morte?
·         Qual o propósito da vida?
·         Para que existimos?
·         Porque nasci?
·         Porque as pessoas morrem?


A ciência (em geral) propõe explicações para essa dúvida metafísica. A primeira, um pouco mais tradicional, é: O sentido da vida consiste em viver a vida, se reproduzir e depois morrer, ou seja, nascer, crescer, ter filhos e morrer. Isso vale tanto para nós, seres humanos, como para o sabiá, um crocodilo, uma baleia e até mesmo a formiga ou o bicho-da-seda. Mas a acredito que este caminho nem sempre é o que as pessoas desejam, talvez você deva conhecer pessoas que não tem filhos e nem querem ter filhos, e está muito bem assim. Então essas pessoas não acharam o sentido para a Vida? Não é assim, o sentido da vida não é este.

Numa perspectiva filosófica e sociológica isso se torna muito relativo e particular, por isso quero apresentar uma Segunda explicação, um pouco mais romântica (que achamos que existe, mas que na prática é outra coisa) para o sentido da vida: Satisfazer-se, contentar-se consigo mesmo, com o sistema de recompensa independente da situação social, econômica educacional. Traduzindo: o sentido da vida é SER FELIZ. A busca da felicidade. Existe uma busca desenfreada pela felicidade, muitas vezes à qualquer custa.

Por outro lado, alguns vão dizer que a felicidade não depende dos bens materiais que a pessoa tem, de sua condição social ou do grau de instrução que alcançou, não depende da estrutura de sua família, depende apenas de um senso pessoal de autossatisfação. A frase geralmente dita é: “O que importa é estar feliz”. Uma resposta existencialista, vaga e vazia de sentido, assim como também a busca por ela, a felicidade.

Pergunto-me: Será que a satisfação pessoal, o sucesso profissional, as conquistas materiais dá sentido à vida em si mesmo? Será que alguém poderia encontrar o sentido da vida nestas coisas? Para algumas pessoas, pode ser que sim. Mas não é aqui que encontraremos o sentido para a vida. Há uma famosa frase de caminhão assim: “Dinheiro não traz felicidade, então, dê todo seu dinheiro pra mim e seja feliz!”.

Qual o verdadeiro sentido para a vida? Que resposta você daria? Para quem você apontaria? Você encontrou o verdadeiro sentido para a vida? Pensei em 3 personagens da Bíblia, e três experiências diferentes, vejamos:

1.     JUDAS ISCARIOTES (Mateus 27.3-5): No momento mais trágico de sua vida, num momento crucial quando ele descobriu ter entregado “sangue inocente”, encontrou sentido para a vida na MORTE. Foi se matar. Assim acontece com muitas outras pessoas que sem esperança, pensando não ter mais solução para suas vidas, tiram a própria vida. Mas não é aqui que encontraremos o sentido para a vida.

2.     O FILHO PRÓDIGO (Lucas 15.11-32): Em sua imaturidade, pediu para o pai parte da herança e saiu mundo à fora, gastou todos seu dinheiro e ficou na pior, Judas achou o sentido para a vida na morte, já o filho pródigo achou o sentido da vida nos BENS MATERIAIS e na VIDA TERRENA. Grande ilusão! Boa parte da humanidade tenta encontrar o sentido para a vida nas coisas terrenas, nos bens materiais, Jesus disse: “onde estiver o vosso tesouro, ali estará também o vosso coração” (Lc 12.34). Mas não é aqui que encontraremos o sentido para a vida.

3.     O APÓSTOLO PAULO (Gálatas 2.20): Um homem que vivia debaixo dos preceitos da lei. Fariseu, nos preceitos de sua religião irrepreensível. Porém, vivia sinceramente enganado. Quando então teve um encontro real com Cristo e encontrou o verdadeiro sentido para a vida NA CRUZ DE CRISTO. Jesus é quem deu sentido à vida de Paulo, ele mesmo disse: “... para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fp 1.21). Viver para Cristo é viver com sentido. Viver sem Cristo, é viver uma vida vazia e sem sentido.

“Existe um motivo, uma razão para o sentido da vida, JESUS, mas nem toda motivação conduz a uma vida de sentido”.

CONCLUSÃO
Judas buscou a solução na morte, sua vida não tinha sentido e achou que a morte seria a solução. O filho pródigo achou que sua vida teria sentido nas coisas, nos bens materiais e acabou sofrendo muito com isso. Já o apóstolo Paulo encontrou na Cruz de Cristo o sentido real e verdadeiro para sua vida.

Jesus veio mostrar que o sentido da vida está NELE. Ele disse: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai senão por mim” (Jo 14.6).

Tiago disse: Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós outros” (Tg 4.8).

Salomão que falou muito sobre a vaidade, conclui o livro de Eclesiastes da seguinte forma: “De tudo o que se tem ouvido, a suma é: Teme a Deus e guarda os seus mandamentos; porque isto é o dever de todo homem” (Ec 12.13).

Jesus dá sentido à vida. E viver para Ele é viver uma vida com Sentido. Vivamos para Glória de Deus. Podemos louvar a Deus por ter a oportunidade de conhecê-lo. Por ELE ter nos dado o Sentido Real para a vida. Louvado Seja o Senhor!!!



No amor de Cristo, Pr Paulo Berberth

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Faça um blogueiro feliz, deixe seu comentário!
No Amor de Cristo,
Pr Paulo Berberth