domingo, 27 de fevereiro de 2011

Senhor, Tu és bom!


“Oh! Provai e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia”. (Salmo 34.8)

Há uma música que amo cantar, o inicio dela é assim: “Senhor, tu és bom. Tua misericórdia é para sempre...” e no final cantamos: “Deus é bom o tempo todo, o tempo todo Deus é bom...”. No entanto, vira e mexe ouvimos pessoas dizerem: “Se Deus fosse bom, não deixaria coisas ruins acontecerem no mundo”. Penso que se o homem fosse mais sábio, prudente e obediente ao Senhor, não causaria tantos males para si mesmo. Deus nada tem haver com a incrível capacidade humana de trilhar caminhos maus. Oras se percorrem caminhos maus, logo, chegarão a destinos maus.

Também já disseram que Deus no AT é um Deus mal e no NT (em contraste com Jesus) é um Deus bom. Tais declarações contradizem as claras afirmações do AT: "Bom e reto é o Senhor, por isso, aponta o caminho aos pecadores" (Salmo 25.8). E também do NT: "Não crês que eu estou no Pai e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo por mim mesmo; mas o Pai, que permanece em mim, faz as suas obras. Crede-me que estou no Pai, e o Pai, em mim" (João 14.10-11). Nada mudou, Deus é o mesmo.

Deus criou o mal?

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Cisternas rotas


“Porque dois males cometeu o meu povo: a mim me deixaram, o manancial de águas vivas, e cavaram cisternas, cisternas rotas, que não retêm as águas”. (Jeremias 2.13)

Primeiramente vamos ao contexto: Jeremias foi chamado por Deus como profeta para repreender o povo de Israel (1.5). O Senhor não perdeu tempo! Disse o que Jeremias deveria fazer: Tu, pois, cinge os lombos, dispõe-te e dize-lhes tudo quanto eu te mandar; não te espantes diante deles, para que eu não te infunda espanto na sua presença” (1.17). A expressão: “cinge os lombos, dispõe-te...”, me chamou a atenção: outra versão traduziu por “Prepara-te, levanta-te...”. O verbo “dispõe-te”, “levanta-te” significa: “Esteja em pé”. Noutras palavras Deus disse para Jeremias: Esteja preparado para a obra que você foi chamado para realizar, seja meu servo.

A mensagem foi clara, dois males foram apontados pelo Senhor:
1º O povo de Israel abandou a mim, a fonte de água viva. “Fizeram o que era mal aos olhos de Deus, queimaram incenso a deuses estranhos, e adoraram as obras das suas próprias mãos” (1.16), “O meu povo me trocou por aquilo que é imprestável” (2.11);
2º Construíram cisternas, mas cisternas rotas. Cisternas que não retém água. “... cavaram para si cisternas furadas”. Eles desprezaram a o manancial, a fonte de água viva.

quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

A Obra é de Deus


“... pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a Graça de Deus comigo”. (1 Coríntios 15.10)

Sabe qual é um dos grandes erros de quem está na Obra de Deus?

É achar que é bom suficiente para não precisar da Graça de Deus. É quando o “servo” quer ser Senhor. É quando o ministério sobe à cabeça do “fulano” e ele se gloria nele, em suas realizações, conquistas, sucesso ou até mesmo pelo título que possui (falando em títulos, hoje em dia é muito comum o desejo por serem chamados de apóstolos, profetas, bispos, pastores, doutores, como se o título fizesse o servo). É quando perdem a oportunidade de glorificar o Senhor da Obra, pois julgam os donos da Obra, os donos da Igreja.

O apóstolo Paulo estava profundamente ciente de que o sucesso de sua missão era Obra de Deus e não dele, por isso afirmou: “... pela graça de Deus, sou o que sou; e a sua graça, que me foi concedida, não se tornou vã; antes, trabalhei muito mais do que todos eles; todavia, não eu, mas a Graça de Deus comigo”.

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Uma Bela Carreira


“Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé”. (2 Timóteo 4.7)

Hoje foi um dia muito triste para todos os amantes do bom futebol mundial e principalmente para nós brasileiros. Um dos maiores e mais queridos jogadores de futebol de todos os tempos, o craque Ronaldo ou simplesmente “fenômeno”, disse adeus aos gramados, ele pendurou as chuteiras. Achei impressionante a cobertura que foi organizada para este momento. Ganhou repercussão no mundo inteiro, milhares de vídeos e reportagens contando a trajetória deste grande jogador, seus gols, contusões, vitórias, derrotas, títulos, mas acima de tudo alguém que marcou nos gramados não apenas pela sua capacidade, mas pela superação de tantos desafios.

Tá certo Ronaldo, Parabéns pela carreira vitoriosa que teve. Mas pensando em uma “outra” carreira e como não poderia ser diferente, quero pesar com vocês quais lições podemos tirar? E como podemos aplicar em nossas vidas tais lições?

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Bem Fundamentados


6 Admiro-me de que vocês estejam abandonando tão rapidamente aquele que os chamou pela graça de Cristo, para seguirem outro evangelho 7 que, na realidade, não é o evangelho. O que ocorre é que algumas pessoas os estão perturbando, querendo perverter o evangelho de Cristo. 8 Mas ainda que nós ou um anjo do céu pregue um evangelho diferente daquele que lhes pregamos, que seja amaldiçoado!” (Gálatas 1.6-8)

O teor da carta aos Gálatas é de exortação. Os ouvintes da igreja em Galácia haviam se desviado do evangelho (v. 6), por causa de alguns mestres judaizantes que pregavam a circuncisão e a observância da lei para a Salvação. Porém o Evangelho ensina que a Salvação vem somente pela Graça, por intermédio exclusivo da fé em Jesus Cristo. A lei serve apenas para condenar, mostrar o erro e nela não há salvação. “Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus; não por obras, para que ninguém se glorie”. (Efésios 2.8-9).

Não quero fazer aqui “caça as bruxas”, até porque meu blog não tem a intenção de fazer debates teológicos, meu desejo é apenas levar a palavra de Deus aos leitores e de alguma forma fazer diferença na vida deles. No entanto eu nem fico mais admirado com algumas “bUrraXas” que são ditas de púlpitos por alguns que se dizem pastores, bispos, apóstolos e blá blá blá... E fico pensando: “estes camaradas estão fritos quando estiverem diante de Deus”.

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

As Companhias...


“Sou companheiro de todos os que te temem e dos que guardam teus preceitos” (Salmo 119.63)

O ser humano não foi feito para viver só. A amizade é essencial, necessitamos e precisamos ter vida social, interagindo com outras pessoas seja onde for, no trabalho, na faculdade, entre os familiares etc. A grande verdade é que sempre precisamos de alguém ao nosso lado, um amigo, um companheiro. Por isso sempre buscamos amizades, namoramos, casamos e assim, o relacionamento com pessoas torna-se imprescindível, indispensável.

Tem aqueles amigos de época: que fizeram parte de nossas vidas em um determinado tempo, na infância, no colégio ou faculdade; Tem os superficiais: aqueles que não são tão chegados da gente, mas mesmo assim são especiais; Tem as amizades passageiras: são aquelas pessoas que entram em nossas vidas e por alguma circunstancia da vida saem, todavia suas lembranças ficam; Tem as amizades virtuais: que conhecemos nas redes de relacionamentos que existem por ai e na medida do possível a cultivamos, umas  tornam-se mais fortes e verdadeiras outras nem tanto, contudo são importantes para quem gosta; Tem também as amizades profundas: que independente do tempo que participaram ou participam de nossas vidas, ficam marcadas lá no íntimo de nosso coração; E por ultimo tem as amizades duradouras: que nem mesmo o tempo, nem a distancia e nada pode apagar, atrapalhar muito menos separar. Essa amizade é fantástica assim como a de Jônatas e Davi: suas almas se ligaram e a amizade deles tornou-se exemplo de fidelidade e companheirismo.

sábado, 5 de fevereiro de 2011

Sofrer: Por pouco tempo


6 Nisso exultais, embora, no presente, por pouco tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações,  7 para que, uma vez confirmado o valor da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro perecível, mesmo apurado por fogo, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo”. (1Pedro1.6-7)

O texto inicia com a expressão: Nisso exultais...”. Mas se exultar em que? Em quem? Nos versículos anteriores temos a resposta: 1) Se exultar... numa Viva Esperança, v.3; 2) Se exultar... numa Herança que não Perece, v4; 3) Se exultar na Salvação preparada por Cristo nos Céus por mediante a fé, v5.  

Estes são motivos suficientes para nos alegrarmos, mesmo que no presente venhamos passar por aflições, existe uma finalidade: Para que a nossa fé seja provada, para que a nossa vida lapidada como um diamante e assim, promova em nós o crescimento espiritual que Cristo deseja. Vamos analisar um pouco o contexto deste texto e então o entenderemos melhor.

Destinada “... aos eleitos que são forasteiros da Dispersão no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia[1] (1.1), a primeira epístola de Pedro faz brilhar um raio de esperança nas trevas daqueles que sofriam aflições e perseguições. Ser um paroikos (Palavra utilizada para “peregrinos”, “forasteiros”, “estrangeiros”), era uma desvantagem óbvia, em relação às classes superiores que desfrutavam de plenos direitos. Os paroikos tinham direitos sociais restritos em vários aspectos, como casamento com pessoas de outras classes, comércio com qualquer um, participação e voto nas assembléias públicas, nos direitos de propriedade etc. Eram perseguidos e considerados inferiores aos cidadãos, sendo-lhes impostas restrições às vezes bastante penosas.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Um dia com o vovô


Um homem fiel (piedoso) segundo a lei, chamado Ananias, que tinha bom testemunho de todos os judeus que ali moravam” (Atos 22.12).

Estou em Campo Mourão, cidade do estado maravilhoso do Paraná, onde tenho muitos familiares e inclusive meu amado e querido vovô, o Sr. Carlos, carinhosamente conhecido por todos como “Carrinho”.  Ontem passei o dia com ele. Que delicia! Fiz o almoço e comemos juntos (a comida ficou boa). Ficamos lá na área da casa dele papeando por horas e posso dizer que ouvir meu avô é sinônimo de aprendizado. Como aprendo com ele! Homem de palavras e gestos simples, ao mesmo tempo profundo.

Ele faz compras no mesmo mercadinho perto da casa dele à muitos anos. Usa aquele sistema de marcar as compras e pagar no dia do pagamento. Então, a tarde chegou e ele pediu para eu comprar açúcar para adoçar o café que ele iria fazer. Eu fui lá, quando fui dar o dinheiro, a mulher do mercado disse:

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Aos simples e pequeninos


“Naquela ocasião Jesus disse: “Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque ocultaste estas coisas dos sábios e cultos (eruditos), e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado”. (Mateus 11.25-26)

O texto inicia com a expressão: “Naquela ocasião Jesus disse...” Mas, que ocasião é essa? Nos versículos anteriores Jesus estava falando a respeito da falta de fé de algumas cidades que mesmo vendo seus milagres não creram Nele (vv. 20-24). Então o mestre diz: “Eu te louvo, Pai, Senhor dos céus e da terra, porque ocultaste estas coisas dos sábios e cultos (eruditos), e as revelaste aos pequeninos. Sim, Pai, pois assim foi do teu agrado”.

Quando Jesus fala das coisas de Deus estar ocultas aos “sábios” e “cultos”, não quer dizer de maneira alguma, que Ele está arbitrariamente condenando uns e salvando outros. Deus não faz isso, pelo contrário! Os “sábios” e “cultos” são aqueles que pensam que sabem, todavia não sabem nada, são orgulhosos e imaginam que não têm nada a aprender de Jesus. São as pessoas que, apesar dos milagres e da pregação do Evangelho, continuaram a rejeitá-Lo, não crêem na mensagem de Cristo.