sábado, 30 de maio de 2009

Fora de Foco

Fora de Foco

“Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Portanto, não se preocupem com o amanhã, pois o amanhã trará as suas próprias preocupações. Basta a cada dia o seu próprio mal.” (Mateus 6.33-34)


Em nosso dia à dia, há sempre um motivo a mais para prender nossa atenção e nos preocupar com coisas que não são necessariamente importante nos preocupar. Quando não é comida, roupa ou moradia, nossa preocupação é como preservar ou aumentar o que já temos nessas áreas.

Estes versículos foram os primeiros que eu decorei. Engraçado que na época de minha conversão havia muitos problemas e coisas acumuladas em minha vida para resolver, pois tudo deveria ser mudado e os problemas resolvidos. Estava muito angustiado e compartilhei meus problemas para um amigo e ele me mostrou este texto. Caiu como um alívio, um refrigério e me fez entender que mesmo depois de minha conversão ainda estava buscando as coisas erradas e tentando resolver meus problemas da maneira e no tempo errado. Estava “Fora de Foco”.

E o foco principal resume-se em:
“Preocupar-se apenas com uma coisa, diz o Senhor, com seu relacionamento comigo.”

O Reino de Deus é a presença completa e o domínio total de Jesus em nossas vidas, aqui agora, já vivemos seu reino, por isso devemos buscá-lo em primeiro lugar. Jesus promete que comida, roupa, moradia e tudo mais que precisamos nos “serão acrescentados”. Mas cremos nisso? Se conhecemos Jesus e andamos com Ele, então cremos e confiamos. E se não confiamos, é provavelmente porque não conhecemos Jesus ou, e não estamos andando com Ele, sendo assim estamos “Fora de Foco”.

Eu até cursei uma faculdade (ADM) pensando ser uma coisa boa, mas estava... adivinha? “Fora de Foco”. Pois é, lembro-me que nas aulas eu levava folhetos e chamava um amigo, o Gilson, para evangelizarmos numa praça ao lado da faculdade. Pode???? A aula que mais enforcava era Matemática financeira, ÉÉÉÉCOOO Rss... Bom, não é à toa que fiz até o 2º ano e pulei fora, percebi que não era a vontade de Deus para a minha vida, fui fazer aquilo que de fato entendia que era a vontade de Deus, que é teologia. O que aprendemos, é que podemos estar sinceramente enganados, buscando uma coisa que não é a vontade de Deus para as nossas vidas, isso nos fará você perder tempo. Qual é seu foco? O que Deus tem confirmado na sua vida?

O fato é que Deus nos mostra o que Ele deseja, mas o problema é que nós não estamos sensíveis o suficiente para ouvi-lO e entende-lO. Então colocamos a carroça na frente dos burros, invertemos as coisas, “Fugimos do Fico”, tentamos resolver os “problemas” errados na hora errada e da maneira errada. Nos preocupamos com aquilo que é desnecessário. As coisas de amanhã, deixe para amanhã, você deve resolver as coisas primeiro de hoje, dando um passo de cada vez. Lembrando que a cada passo as coisas de Deus devem estar em primeiro lugar confiando plenamente que o nosso Senhor é suficientemente capaz de nos acrescentar aquilo que é da vontade dele para as nossas vidas e que Ele suprirá as nossas necessidades.

Se você anda ansioso ou preocupado, nenhum produto ou bem lhe trará paz e satisfação duradoura. Apenas uma coisa lhe servirá – volte-se para Jesus, ande com Ele. Busque Jesus e todas as coisas vos serão acrescentadas.

Oração:

“Meu Senhor, obrigado por se revelar a mim. Obrigado por que tenho o privilégio de conhecê-lo e anda contigo. Eu não mereço tamanha graça: o Dono do Universo quer passar o dia todo comigo. Isso é o máximo!!! Que não dedique apenas algumas horas da semana, que o Senhor seja O FOCO principal da minha vida e que a todo momento eu creia que as outras coisas o Senhor já está cuidando. Amém”.


No amor de Cristo,


Paulo Berberth

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Tentação x Santidade

Achei essa frase muito boa...

"A tentação é uma goteira incessante. A santidade é o compromisso de não se deixar molhar".
São Francisco de Assis

quinta-feira, 28 de maio de 2009

Finalidade Clara

Finalidade Clara

"assim como nos escolheu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis perante ele; e em amor" (Efésios 1:4 ARA)

Tenho ouvido várias pregações sobre muitas coisas como prosperidade, restituição (o tema do imposto de renda), unção disso e daquilo outro, soube ainda ontem que existe até a unção do riso (hilário, para não dizer ridículo), pregações humanistas e existencialistas, pregações sobre atitude positivas na vida e coisas nesta linha. Isso pode até ser "legalzinho", pode até fica uma “bela” e “tocante” pregação.

Mas o que Deus deseja de nós tem a ver com o motivo para Ele ter nos criado, o que segundo este texto, é para que sejamos santos (semelhantes a Ele) e irrepreensíveis. Esses caras não pregam sobre uma vida assim com Cristo, apóiam o secularismo, acham que não tem nada a ver certas coisas, porém conseguimos perceber claramente que a vida dessas pessoas são vazias e fúteis, são charlatões e estão fazendo da igreja de Cristo um “Circo” pior ainda é que a platéia tem seguido esses movimentos.

A questão toda é que devemos nos lembrar continuamente que Deus nos criou para sermos santos, e isso não é uma coisa pequena ou boba. Nos tornarmos gradualmente semelhantes a Jesus em caráter e posicionamento e essência, exige integridade na vida, retidão, compromisso com Deus, com sua Verdade e Palavra, exige perseverança, muito esforço e dedicação como também um toque de amor pelas coisas de Deus. O Espírito Santo fará a parte dEle, mas nós devemos assumir a nossa responsabilidade, a vida cristã tem que ser prática, a palavra de Deus é praticável. Não é necessário lembrar que se isso foi uma escolha que aconteceu antes da fundação do mundo, querer nadar contra Deus e sua vontade é perder tempo. Deus tem um propósito e seremos mais felizes ao imitá-lo e segui-lo para nossa edificação.

Me perguntaram certa vez como eu definiria santidade. Foi duro de encontrar uma definição, mas me veio à mente algo como:

"Santidade é fazer o que Jesus faria no meu lugar e não deixar de fazer o que Ele espera que eu faça".

Se é isso que Deus espera de nós, vamos correr atrás pois ninguém é mais beneficiado que nós mesmos. Faremos então a vontade de Deus?

Oração:
"Deus querido, sinto-me privilegiado por ser Teu, quero ser ensinado por Ti a ter como objetivo de vida o meu crescimento espiritual em santidade, buscando sempre a tua vontade e o Teu querer para todas as decisões de minha vida, ajude-me para tanto. Amém"

No Amor de Cristo,

Paulo Berberth

segunda-feira, 25 de maio de 2009

Transformai-vos

Transformai-vos

"...não vos conformeis ... mas transformai-vos ..." (Romanos 12:2)

Já ouvi vários sermões baseado neste texto, ultimamente tenho pensado muito nos Jovens e adolescentes de minha igreja, nas igrejas em geral e no grande desafio e responsabilidade que Deus confiou em minhas mãos. Tenho que confessar que fico intrigado com este momento no mundo em que vivemos. Percebo que grande parte das pessoas parecem desanimadas, abatidas, cansadas, quem sabe até enjoadas, outros indiferentes, sem fé, sem esperança, há aqueles também que estão amargurados, decepcionados, talvez feridos por alguma situação que viveu, há falta de compromisso, seriedade, firmeza na fé, caráter e integridade, os valores são outros.

Mas tenho certeza que a Vontade de Jesus é que vivamos nossas vidas com alegria e entusiasmo. Não entra na minha cabeça como um cristão ainda mais um Jovem ou Adolescente que conhece a Cristo verdadeiramente, consegue viver sempre cabisbaixo, indiferente ao mundo, olha, problemas sempre teremos, mas ao "ponto" de entregar os pontos? Pessoal, temos um Deus PODEROSO, creia nisso!!!!! Paulo ainda diz:

“Em tudo somos atribulados, mas não angustiados; perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos” (2 Coríntios 4.8-9)

Quero desafiar a cada um de nós a pensar de que maneira estamos encarando os desafios de nossa vida. O apóstolo Paulo era "craque" em enfrentar desafios, por isso, nada melhor que aceitarmos os seus conselhos. Esta passagem em que Paulo nos desafia a mudar está no imperativo, ou seja, é uma ordem que devemos executar. Mude! Transformai-vos!

Se você estiver fazendo as coisas em 2009 da mesma maneira que fez em 2008, não se surpreenda se você colher os mesmos resultados (ou a falta deles). Se 2008 foi um bom ano, ótimo; mas o conselho vale do mesmo jeito, já que uma mudança pode ajudar a fazer com que 2009 seja ainda melhor. No entanto, se 2008 não foi o melhor ano da sua vida, repense a sua maneira de agir, pensar, crer, se necessário for, repense tudo! Estamos em Maio! Isso assusta? O que mudou? Onde melhorou? O que fez? Quantas pessoas ganhou para Cristo? Que planos conseguiu por em prática?

Isso é transformar-se. Examine como você está levando a sua vida, compare-a com a Palavra de Deus e ajuste o que precisar ser ajustado. Mude procedimentos, estabeleça novos hábitos, troque de amizades "se necessário" (“Não nos enganeis, as más companhias corrompem os bons costumes” 1Co 15.33) ou ainda faça novas amizades. Determine metas para atingir para este ano e para os próximos. Minha preocupação, sinceramente é olhar para vocês e perceber que eu "Paulo Berberth” Não faço nenhuma diferença na vida de ninguém, não quero isso, quero ser relevante, quero que vejam Cristo em mim e quero todos vejam que somos Cristo, que Ele está em nós, devemos brilhar por Ele, para honra e glória de Jesus.

Não tenha medo de determinar metas, pois não devemos esperar as circunstâncias acontecerem para daí, desesperados, cair de joelhos clamando por livramento. O apóstolo Paulo era diferente: determinava o que ia fazer e saía fazendo e ouvindo as mudanças de direção que Deus orientava. Em determinado episódio ele queria ir numa direção (Bitínia) mas Deus mudou seus planos e o enviou para a Macedônia (At 16:7-10). Ele não tinha problemas em mudar a rota ou o método, se necessário, desde que o ajudasse a atingir seu alvo que era pregar o evangelho e de alguma forma ser cooperador de Cristo.

Está aí o desafio para nossas vidas, o apóstolo Paulo está nos desafiando a provocar esta mudança para que experimentemos o melhor de Deus para nós.

Oração:
"Deus querido, dá-me coragem para desejar mudar tudo que precisa ser mudado na minha vida, para enfrentar não apenas este ano, mas viver minha vida toda, todos os dias, lembrando "que não sou mais eu quem vive, mas o Senhor vive em mim", só isso, óh Deus, é motivo suficiente para me alegrar e viver minha vida com entusiasmo e gratidão"

Que Deus continue nos abençoando,

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

sexta-feira, 22 de maio de 2009

A Lógica de Deus é Outra

A Lógica de Deus é Outra

Certa vez estava conversando com alguns jovens e dois deles não eram cristãos. Conversamos sobre vários assuntos e não demorou muito para a conversa se direcionar a religiões. Então começou aquele diálogo ferrenho.

- E disseram a Religião Escraviza!
- Eu disse: Concordo plenamente!
Eles olharam assustados sem entender, mas prosseguiram.

- Olha só, eu não consigo entender as coisas de Deus, parecem loucuras!
Então Comentei. Sim é verdade, a mente de Deus é incompreensível e com toda certeza as coisas Dele são apenas para os loucos.

Eles sem entender disseram ainda.
- E a Bíblia então eu leio e não entendo nada, ela foi escrita por homens e tem um monte de erros. Eles me olharam e pareciam aguardar ansiosamente por uma resposta confrontadora, talvez até pensaram “agora sim ferimos o ego dele”. Todavia, olhei para eles e respondi com uma expressão calma e de muita convicção do que estava falando e disse.
- É verdade, a Bíblia foi escrita por homens e tem muitos erros

Neste momento, um olhou para o outro e disseram indignados...
- Mas Paulo, era para você defender a Bíblia e não concordar conosco, você não será Pastor, pois bem, porque então respondeu desta forma?

Então disse: “A lógica de Deus é outra” Vou explicar....

1º A Religião de fato escraviza, quem liberta é Jesus, certa vez Jesus disse:
“Se, pois, o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres.(João 8.36)

Apenas Jesus pode libertar a humanidade, “A lógica de Deus é outra”, a religião ou a religiosidade, o mundo e o pecado que aprisionam o homem, mas Jesus Liberta.

2º As coisas de Deus são incompreensíveis mesmo... exatamente porque Ele é Deus e nós homens e extremamente limitados, imperfeitos diante da grande perfeição de Deus...

“Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir?”(1Co 2.16 a)

“A lógica de Deus é outra” Deus é Soberano e deseja que nós dependamos Dele.


3º As coisas de Deus são discernidas espiritualmente o homem natural não conseguirá entendê-las, o apóstolo Paulo disse isso em sua 1ª carta aos Coríntios cap. 2.14:

“Ora, o homem natural (aquele que não conhece a Cristo) não aceita as coisas do Espírito de Deus, porque lhe são loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”.
E continua... “...Nós, porém, temos a mente de Cristo”. (1Co 2.16 b)

Por isso que vocês lêem e não entendem, porque ainda não possuem o Espírito Santo que ajuda os Cristãos a discernirem as coisas de Deus.

“A lógica de Deus é outra” vocês precisam ter a mente de Cristo, precisam ser transformados por Ele, assim vocês também serão considerados loucos....

“Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; 28 e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são; 29 a fim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus. 1 Coríntios 1.27-29


4º Agora uma lógica muito CLARA.

Deus usou homens para escrever a Bíblia, claro queridos, ou vocês acham que ele usaria macacos, árvores, ou qualquer outra de suas criações? O ser humano é a sua principal criação ele foi criado com muito amor e carinho, além do mais, todos nós aprendemos que apenas os seres humanos são racionais. O propósito de Deus é para os homens e não para os animais.

E também não foram homens quaisquer.... foram homens inspirados por Deus. “A lógica de Deus é outra”

“16 Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça, 17 a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (2 Timóteo 3:16-17).

“20 sabendo, primeiramente, isto: que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; 21 porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens santos falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” ( 2 Pedro 1.20-21).


5º A Bíblia tem erros.
Sim... ela menciona o meu o seu o nosso e de muitas pessoas dentro da Bíblia e o maior erro que a Bíblia menciona claramente é o erro de não crer que Jesus veio ao mundo para nos salvar.

“16 Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.17 Porquanto Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. 18 Quem nele crê não é condenado; o que não crê já está condenado, porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus. 19 O julgamento é este: que a luz veio ao mundo (Jesus), e os homens amaram mais as trevas do que a luz; porque as suas obras eram más. 20 Pois todo aquele que pratica o mal aborrece a luz e não se chega para a luz, a fim de não serem argüidas as suas obras. 21 Quem pratica a verdade aproxima-se da luz, a fim de que as suas obras sejam manifestas, porque feitas em Deus”. (João 3.16-21)

Portanto, “A lógica de Deus é outra”

Ao mundo as coisas Dele são loucuras e parecem contraditórias e não é que é mesmo!

Por causa de um espinho na carne de Paulo o Senhor lhe disse:

“...A minha graça te basta, porque o poder se aperfeiçoa na fraqueza. (1 Coríntios” 12.9)
Ele mesmo explica no versículo 10:

“Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas necessidades, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte”.

Estranho não? E se eu dissesse a vocês que a “A vida está na morte.”

Mais louco ainda, sim.... o apóstolo Paulo resume o que é ser cristão num versículo.

“Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim”.(Gálatas 2.20)

Então disse para eles se não queriam ser loucos também e para a glória de Deus eles aceitaram.

E você que está lendo este texto, quer ser louco?

Afinal, “A lógica de Deus é outra”

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

quarta-feira, 20 de maio de 2009

A Igreja Que Ama Missões

A Igreja Que Ama Missões

(Corações Gratos, Pés Que Vão, Mãos Que Dão e Joelhos Que Dobram).

Por: Paulo César Berberth Lima
Disciplina: Metodologia da Pesquisa 1
Faculdade Teológica Batista de Campinas
Campinas, 29 de Maio de 2005.


INDICE
1 Introdução
2 Corações Gratos
3 Pés que Vão
4 Mãos que Dão
5 Joelhos que Dobram
6 Conclusão
7 Bibliografia
É interessante pensar: a idéia de que é melhor ter qualidade do que quantidade tem sido a grande “justificativa” das igrejas que não crescem e não se desenvolvem (pode até explicar, mas não justifica). A falta de Amor, de Visão, de Objetivos e de Alvos são os grandes impedimentos ao crescimento e expansão da igreja, as que possuem envolvimento com missões são as que mais têm crescido, e em todas as direções – Espiritual, Física e Financeiramente.
Para crescer nesses aspectos não existe segredo, o principio é simples, prático e eficaz, a igreja tem que ter:

Corações Gratos; reconhecendo a Graça de Deus em sua própria vida. Pés que vão; respondendo a chamada de Cristo, ela vai e envia. Mãos que dão; contribuindo e sustentando. E Joelhos que Dobram; gastando tempo orando objetivamente por missões, pelos enviados e pelos povos não alcançados.

Rm 10.13-15 Porque todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, pois invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!
A igreja que ama missões é uma igreja que possui corações gratos pela salvação em Cristo.

“Como retribuirei a Deus todo o bem que me fez?” Sl. 116.12. O salmista pergunta por todos nós, a resposta deve ser a mesma proclamada no Sl. 89.1 ”Cantarei para sempre as benignidades do Senhor; com a minha boca proclamarei a todas as gerações a tua fidelidade”.

Fomos criados para o Louvor da Glória do Senhor, Ele nos fez para glorificarmos o Seu Santo Nome, esse é o desejo de Deus, Rick Warren afirma: “O objetivo fundamental do universo é demonstrar a glória de Deus. Essa é a razão de tudo que existe, incluindo você, Deus fez tudo isso para glória dele. Não fosse a glória de Deus, não haveria nada”.[1]
Damos glórias a Deus anunciando Seu Nome, a igreja que ama missões deve sentir verdadeiramente uma enorme gratidão pela Salvação, deve entender o maravilhoso propósito de Deus que é “Testemunhar” Dele para Todas as Nações, conforme 1Pe 2.9 “Vós sois a geração eleita, sacerdócio real, não santa, povo exclusivo de Deus, para anunciardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para maravilhosa luz”. Com toda certeza, missões estarão no coração da igreja, se assim compreender que fora chamada exatamente para isso, fazer missões! O Senhor deseja que Sua igreja local seja instrumento abençoador, o canal de bênçãos, a torre que anuncia as verdades eternas.
Somos soldados de Deus, e devemos percorrer o mundo para levar o mundo à “morte”, sim, levar o mundo à “morte”, pois se morrerem para si, viverá a vida que Jesus deseja para todos, conforme a declaração aos Gálatas no cap. 2.20 “Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”. Portanto a igreja deve cumprir o Ide de Jesus, esse desejo está no coração de Deus e deve estar no coração da Igreja.
Mas antes de testemunhar, antes de contribuir financeiramente ou orar por missões, a igreja precisa compreender o que Jesus fez por ela na Cruz. Deve entender qual era sua real condição, antes éramos inimigos de Deus, estava numa situação lastimável, desesperadora, sem qualquer esperança, a vida não teria nenhum sentido sem Cristo e sua Salvação, essa seria a real situação da igreja, pecadores nós éramos e por ser tal, estava separada da glória de Deus (Rm 3.23).
É exatamente isso que deve ser feito, olhar para quem nós éramos, reconhecer a graça de Deus em nossas vidas, reconhecer toda nossa situação como acima foi destacada. E agora, olhar para nossa volta, perceber que pessoas estão morrendo sem Cristo, dia após dia, ou seja, ainda estão nessa terrível situação de desespero. (Como você se sente sabendo disso?) Então a igreja sentirá uma enorme gratidão pela Graça que Deus derramou sobre suas vidas, você individualmente era inimigo de Deus e hoje você e sua igreja local, tem o privilégio de fazer parte do Seu Reino e participar do Seu crescimento.
Como então olhar para nossa situação e não sentir gratidão? A Bíblia diz que o “Amor de Deus nos constrange” 1Co 5.14. Como não desejar compartilhar do Evangelho aos outros? Como não querer que o mundo conheça a Jesus? Como a igreja local pode não responder ao Ide de Jesus? Como você pode não desejar que outros se salvem?
Impossível você permanecer indiferente frente a esses questionamentos, principalmente se os responderes de forma positiva. Eu creio com toda convicção que é impossível um filho de Deus não desejar essas coisas, pois o fato de o Temos nos motiva, as Necessidades dos homens a nossa volta, o Amor, o Evangelho, a Eternidade e o Chamado de Deus nos motiva.


Hoje é sempre o melhor dia
Agora é sempre a melhor hora
Se não for você – quem?
Se não for agora – quando?
2Co 5.20 e 2Co 6.2

Pelo temor e amor de Deus, pelas necessidades dos homens, pelas realidades eternas, pela obra de Deus, por essa grande história que temos de compartilhar ao mundo e pelo chamado que Deus nos tem dado e confiado, há muitos motivos para darmos o melhor de nós mesmos em favor das missões. Perto ou longe, intercedendo com orações, contribuindo e sustentando fielmente, viajando ou enviando a outros.
A igreja que ama missões é aquela que sente uma enorme gratidão, Você pode dizer? “Sim, grandes coisas fez o Senhor por nós, por isso estamos alegres” SL126.3. Você está feliz? Está grato? O que fará agora? Compartilhe! Tenha um coração grato por Deus, pelo o que fez e por quem Ele é e significa na sua vida. Motive sua igreja a entender essa profunda realidade, então ela terá corações gratos.


3. PÉS QUE VÃO

A igreja que ama missões é uma igreja que envia e vai com os que vão.

“E como pregarão, se não forem enviados? Assim como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!” Rm 10.15.
A igreja não pode perder a visão da sua grande missão: evangelização, ela tem esse compromisso. Ou vamos ou enviamos aqueles que são chamados. A igreja missionária é a que envia, a que vai junto dos que vão. Ela obedece o “...Ide por todo mundo e pregai o evangelho a toda criatura” Mc 16.15.

Evangelizar
“Vai, vai e ganha os perdidos
Evangeliza-os a todo Custo;
Prega e insta em todas as terras,
Esta é a ordem a que damos ouvidos
Evangeliza cada Nação,
Não se pode negar o Evangelho.
A ninguém se negue o convite
Anuncia a Cruz de Cristo,
A morte expiatória do Senhor.
Vai, e dize como ele ressuscitou
E triunfou sobre seus inimigos.
Como vai voltar de novo
Para reinar em poder e majestade
Ele voltará para a Esposa tomar,
De toda tribo, língua e nação;
E também a fim de inaugurar
O juízo contra todos os ímpios.
Vai, a mensagem tem de ser
Vai buscá-los para o redil do Pastor proclamada
O Mestre te chama. Levanta-te
É preciso Evangelizar
Evangelizar. Evangelizar!”
[2]

A igreja é missionária a partir de suas ações. Isso quer dizer que seus planos, projetos, realizações, tanto comunitários como individuais, nunca podem perder de vista a grande missão de ser sal e luz, de mostrar a esperança, o caminho da salvação em Jesus. Estas ações começam em casa, na família, no prédio, na rua, no trabalho, na escola, com amigos, vizinhos, no bairro, na cidade, e até entre outros povos, culturas e raças. Não preciso necessariamente estar na China, meu campo é onde estou, e onde estou ali farei missões.
As nossas ações jamais deverão ser individualistas e egoístas, do tipo: “Eu quero assim; só se for como eu penso; eu faço se eu quiser; ninguém manda em mim; ou é do meu jeito ou não conte comigo; os meus planos são os melhores...” Tais atitudes substituem o plano de Deus para a sua igreja e seus filhos. Um grande problema tem acontecido entre os missionários, Antonio C. Nasser comenta sobre a falta de cooperação mútua entre as agências missionárias. “Parece que cada um deseja plantar sua bandeira, a qualquer preço, não importando se vão aglutinar pessoas em um só ponto, e deixar povos sem Cristo. A mim me parece (posso estar enganado), que estamos numa corrida maluca, como subir o Monte Everest! Queremos chegar primeiro, e, se for impossível, precisamos colocar, ao menos, a nossa flâmula para que tremule ali para sempre! Isto mais se assemelha a uma brincadeira de crianças do que a uma guerra ferrenha contra o diabo e seus anjos, para conquista de povos que estão sem a Luz de Jesus! Perdoe-me se estou criticando demais, mais é muito importante que olhemos para dentro de nós e de nossas organizações e sondemos as nossas reais motivações”[3] . A verdade é que conforme Nasser comentou, ao invés de se preocuparem em proclamar Jesus, o que tem acontecido é uma corrida para por a bandeira denominacional. Isso nos faz pensar qual é a prioridade: Falar de Jesus ou plantar bandeiras?
A coisa mais preciosa para um cristão, é fazer parte daqueles que o Senhor vocacionou para o ministério em tempo integral (Rm 10.15b Quão formosos os pés dos que anunciam coisas boas!), realmente é um privilégio participar desta obra, mas o chamado é apenas para alguns? A grande comissão foi para todos?
Trabalhei numa empresa em 2002, e lá havia um rapaz também cristão, muito inteligente, admirava seu potencial. Eu estava no primeiro ano na liderança dos Jovens e Adolescentes de minha igreja, já tinha convicção do meu chamado e estava começando a me preparar para o ministério. Certo dia, cheguei ao serviço entusiasmado, pois naquela semana havia dado meu primeiro estudo, então comecei a compartilhar para o Marcos, um outro rapaz que trabalhava comigo que também é cristão, estava compartilhando da minha alegria e entusiasmo, Luiz então se aproximou e comentou de forma bem arrogante:

- Eu já preguei várias vezes na minha igreja, tenho tudo anotado, tenho marcado até quantas vezes preguei, os assuntos e temas, você está apenas começando, tem muito que aprender! Então fiquei surpreso com a atitude dele. Continuando a conversa ele comentou que havia feito “até” seminário, então o questionei:
- Por que então não decidiu estar no ministério e servir a Deus em tempo integral? Ele me respondeu:
- Não tenho chamado!
Pensei por alguns instantes, então lhe disse:
- Mas você tem ouvido?
O quero estou querendo dizer é que algumas pessoas dão motivos banais para não participar da obra de Deus, muitos não compreenderam que a missão é para todos. Porém sei que existem os vocacionados para um determinado ministério, aqueles que sentem o desejo de estar em tempo integral como pastor, missionário, missionária ou educadora religiosa.
Edison Queiroz, afirma que a igreja deve ter cuidados especiais para com os candidatos, deve avaliar alguns critérios importantíssimos em sua vida, tais como: o candidato deve ser salvo; tem de apresentar constante crescimento na vida cristã; deve ter um caráter aprovado; deve ter convicção do chamado; deve ter um espírito disposto a aprender; deve ser submisso à liderança; deve ter reconhecimento da igreja; deve ter autoridade espiritual; deve ter qualidades bíblicas para o ministério[4].
Edison também fala sobre a importância do envio eficaz.
Quando o envio é correto, há decorrências importantes, que trazem segurança tanto para a igreja quanto para o missionário:
O envio eficaz requer consciência e responsabilidade da igreja diante de Deus e da família do missionário. Isso faz os membros ter compromisso mais profundo com a produtividade do missionário e preocupação com o bem estar da família dele.
O missionário, além de sentir-se muito mais seguro, terá também profunda consciência de corresponder à confiança que a igreja nele depositou. Sabe que deve estar constantemente em submissão à igreja, enviar seus relatórios, seus pedidos de oração, etc.
A conseqüência natural desse compromisso entre igreja e missionário será uma eficácia muito maior no trabalho. Haverá mais oração, o missionário terá mais condição de trabalho; consequentemente haverá mais resultado[5].
A igreja que ama missões é aquela que envia e vai, engaje-se e encoraja outros a participar desta tão preciosa causa, lembre do apelo que o Senhor faz em Is 6:8 “A quem enviarei, e quem irá por nós? (Estas palavras são para você) Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim”. Isaias ouviu a chamada do Senhor e a respondeu. Se você não for, coloque o seu coração diante de Deus, e faça parte enviando os que vão, pois essa é a vontade de Deus para sua vida. Com corações gratos a igreja enviará e também irá ao campo.

4. MÃOS QUE DÃO


A igreja que ama missões é uma igreja que contribui e sustenta a obra missionária.
Falar de sustento e contribuição hoje em dia na igreja não é tarefa fácil, e uma das coisas que mais tem prejudicado a obra missionária são “crentes” infelizmente apegados às riquezas, sabemos muito bem que, quando pensamos em missões temos que pensar em abnegação. Do que iremos abrir mão? Talvez planos tenham de ser adiados ou até mesmo substituídos por amor à obra de missões. Mas existem três concorrentes fortes da abnegação, o egoísmo, a avareza e a ganância, sentimentos que aumentam dia após dia e várias vezes conseguem vitórias, destruindo a visão de missões na igreja.
O jovem rico é um exemplo claro, ele questiona Jesus a respeito da vida eterna, então Jesus o responde: “Sabes os mandamentos: Não matarás; não adulterarás; não furtarás; não dirás falso testemunho; a ninguém defraudarás; honra o teu pai e a tua mãe. Ele, porém, lhe replicou: Mestre, tudo isso tenho guardado desde a minha juventude. E Jesus, olhando para ele, o amou e lhe disse: Uma coisa te falta; vai vende tudo quanto tens e dá-o aos pobres, e terás um tesouro no céu; e vem, segue-me. Mas ele, pesaroso desta palavra, retirou-se triste, porque possuía muitos bens” Mar 10.19 – 22. O jovem gostaria de ter a salvação, porém considerou sua riqueza mais valiosa, não quis abrir mão, Jesus desejava que ele o seguisse, contudo não quis.
Na igreja, hoje não é diferente, muitos estão se apegando aos bens materiais se tornando um “deus” para o indíviduo, Jesus nos adverte a esse respeito. Mt 6.24 “Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou há de odiar a um e amar o outro, ou há de dedicar-se a um e desprezar o outro. Não podeis servir a Deus e às riquezas”. E quando isso acontece, é muito difícil o crente abrir o coração e “por a mão no bolso.”
Pensando no contexto da igreja, torna-se um problema ainda maior, pois ela não terá a visão missionária deseja por Deus, sentira apenas suas próprias dores e não olhará para o mundo, muito menos para as necessidades dos missionários, isso é muito triste!
Na maioria dos casos, a culpa é da liderança, pois não trabalha essa visão na vida da igreja, não ensina a igreja amar missões, ela deve pregar a palavra enfatizando missões, falando de sua importância, necessidade, trazer missionários para falar à igreja dando seu testemunho e fazendo entrevistas, passar documentários missionários e também trabalhar com discipulado, tudo isso ajuda a igreja se despertar para missões.
Na mentalidade de alguns, ser missionário é a opção do ”Pastor que não deu certo”, por isso seu sustento pode ser qualquer coisa.
“Por que o missionário não planta mandioca ou cria galinha ?”
A idéia é que o missionário deve passar por necessidades. Nada de conforto! Será que Deus faz acepção entre pastor e missionário?
Nasser desenvolve alguns aspectos importantes da visão do sustento missionário para a igreja.
“Quanto as Igrejas locais aplicam em missões? Ficaremos assustados, se ouvirmos os relatórios financeiros, pois se gasta mais no local onde a igreja está do que na expansão sistemática do Reino de Deus. Por quê? Muitos são os fatores, mas o principal, em minha maneira de ver, é a falta de visão correta nesta área.
“Por que enviar missionários a campos tão distantes?”
“Temos gente morrendo de fome no Brasil, também!”
“Temos que construir nosso Templo! Enviar missionários, além de dar trabalho, é perda de tempo e dinheiro!”
Infelizmente, estas têm sido algumas considerações que, ainda não verbalizadas, existem na mente de muitas pessoas.
Quando uma igreja entender seu papel no mundo e que deve “pregar o Evangelho a toda criatura”, ela passa a ver a realidade de seus missionários. Quanto ao sustento, propriamente dito, devemos levar em consideração alguns aspectos importantes:
1. Cada missionário tem seu custo de vida.
2. Agências denominacionais trabalham diferentemente das agências de envio independentes.
3. A igreja local deve compreender que é melhor manter um missionário dignamente do que vários em condições precárias.
4. A igreja local deve considerar o missionário, quando está no campo e quando de regresso.
5. A perseverança no envio do sustento é de vital importância para o missionário
6. O sustento precisa ser digno.” [6]

Várias agências estão adotando um método de levantar sustento através de mantenedores de um determinado povo ou missionário seja ele enviado por aquela igreja ou por outra, é interessante pois a igreja não se limitará ao sustento dos missionários da igreja local, mas sustentarão outros. A igreja que adota um povo trás benefícios segundo Edison Queiroz, “Evita-se duplicação de esforços; Gera-se um compromisso mais sério com processo de evangelização do mundo; Confere-se objetividade ao trabalho da igreja; Aumenta-se o potencial de cooperação e parceria”[7].

A igreja que ama missões é uma igreja que contribui e sustenta a obra missionária, trabalhe esse aspecto na sua igreja, crie métodos para levantar sustentos dos missionários espalhados pelo mundo. Se a igreja tiver um coração grato, enviará, irá e sustentará a obra de missões.


5. JOELHOS QUE DOBRAM


A Igreja que ama missões, é uma igreja que dobra os joelhos em oração pelas almas perdidas.
É assustador quando se tem um período de oração na igreja, pois existem dificuldades em orar, sente-se sono, preguiça e uma coisa que incomoda são orações subjetivas e genéricas como: “Senhor abençoa todos os missionários do mundo”. Mal sabe a pessoa que ora desta forma, que os mulçumanos também estão enviando missionários para o mundo todo. Ou orações como: “Senhor abençoa todos os missionários de nossa junta”. Isso demonstra que não há envolvimento pessoal com os missionários e denuncia a falta de informações, além da ignorância relativa ao significado da obra. Por outro lado, quando existe o conhecimento das implicações da obra missionária, as orações das igrejas serão mais objetivas e especificas, ou seja, as igrejas estarão sempre informadas, saberão os motivos de oração porque existe esse interesse pessoal pelo missionário.

Mt 9.37-38 “Então disse a seus discípulos: Na verdade, a seara é grande, mas os trabalhadores são poucos. Rogai, pois, ao Senhor da seara que mande trabalhadores para a sua seara.”

Gosto de olhar para esse texto e perceber nas ricas palavras de Jesus a importância de orarmos por missões, com certeza essa é a vontade Dele, Jesus está dizendo que o “campo é grande” implica em diversos problemas e por ser grande há muitos campos, vários ainda não alcançados, por isso Ele diz os “trabalhadores são poucos”, devemos orar por obreiros, pessoas precisam se levantar e atender esse clamor. Tenho, no entanto pelo menos três pedidos de oração:

1. Para Deus levantar obreiros;
2. Pelos missionários, por sustento financeiro, pensando também nas diversas dificuldades no campo, como a língua, o aspecto cultural, pela família do missionário, incluindo saúde física e espiritual e principalmente para serem firmes e fieis;
3. Por povos não alcançados, para Deus preparar os caminhos, abrindo as portas do Evangelho ao povo. Ou por povos específicos que Deus colocou em seu coração para orar, nesses casos é importante saber todas as informações possíveis sobre povo, tanto os não alcançados quanto os que já possuem um trabalho missionário, a fim de orar especificamente;

Um outro aspecto que se deve pensar sobre missões é que devemos ter uma “mentalidade de soldados”. Estamos numa guerra e a oração é uma arma essencial, Jon Piper fala sobre isso: “Até que sintamos a força disso, não oraremos como devemos. Nem sequer saberemos o que é oração. Em Efésios 6.17-18, Paulo faz a conexão entre a vida de guerra e a obra da oração: 17 Tomai pois o capacete e a espada da salvação do Espírito, que é a palavra de Deus; 18 Com toda oração e súplica, orando em todo o tempo no Espírito e para isto vigiando com perseverança por todos os santos”[8]
A idéia do texto é a seguinte: de tomar a espada... orando! Eis como devemos nos comportar, a oração é a comunicação com o quartel é um aparelho comunicador no campo de batalha e não um aparelho doméstico, deve ser manejado corretamente. Deus o arquitetou e nos deu para usarmos em sua missão, nossa arma fundamental, a qual o inimigo tentará de qualquer forma desarmar nos deixando sem sozinhos, perdidos no campo de batalha.
“A oração é para o cumprimento de uma missão de guerra. É como se o comandante no campo (Jesus) chamasse as tropas, desse a elas uma missão decisiva (ir e produzir frutos), entregasse a cada uma delas um transmissor codificado com a freqüência do quartel-general e dissesse: Companheiros, o general tem uma missão para vocês. Seu objetivo é vê-la executada. Para essa finalidade, autorizou-me a dar a cada um de vocês um acesso pessoal por intermédio desses comunicadores. Se vocês permanecerem leais a sua missão e buscarem primeiramente a vitória, ele estará sempre atento ao seu comunicador, para dar-lhes conselho tático e mandar reforço aéreo quando precisassem. Mas o que milhões de cristãos tem feito? Temos deixado de crer que estamos em uma guerra. Não há urgência, atenção e vigilância. Nenhum plano estratégico. Apenas uma paz cômoda e prosperidade. E o que fazemos com os comunicadores? Tentamos instalá-los em nossas residências, casas de campo ou praia, barcos e carros, para servir como comunicador interno – não para ser usado como poder de fogo para o conflito contra um inimigo mortal, mas para obter mais conforto em nosso aconchego”[9]
Triste mas é a pura verdade, como igreja de Cristo, somos muito falhos! Tiago em sua carta diz: 4.3 “Pedis e não recebeis, porque pedis mal, para o gastardes em vossos deleites” Usamos a oração para pedir somente aquilo que desejamos para nós mesmos, nosso pensamento deve ser o mesmo de Paulo 1Co 10.24 “Ninguém busque o proveito próprio, mas antes o que é do outro” Quantas vezes pensamos no próximo? Em Rom 13:8 a “A ninguém devais coisa alguma, senão o amor recíproco” Não no sentido de faltar amor, mas no sentido de pagar sempre o amor.
A oração é uma poderosa arma (Tiago 5.16b ... A suplica de um justo pode muito na sua atuação) e deve ser usada para a Glória de Deus, pensando no crescimento do Seu Reino. Se a igreja tiver um coração grato, enviará, irá, sustentará e orará por missões.


6. CONCLUSÃO



Creio que a principal missão da igreja é fazer discípulos, é por isso que Deus tem um coração missionário, Ele designou esse papel à da igreja local, “as ovelhas fazem ovelhas”. A igreja tem todas as condições de recrutar, selecionar, treinar (sem dispensar a ajuda de faculdades ou seminários teológicos) e enviar missionários como também sustentar financeiramente e em oração.
O que não pode e nem deve fazer é esquecer-se de pastoreá-los adequadamente. Deixa-los à própria sorte (não dispenso a ação de Deus) e sozinhos nos campos, apenas exigindo relatórios e resultados, enviando o sustento financeiro sem muitas vezes saber de suas reais necessidades, orando subjetivamente, diria até, sem sentir o desejo de orar, é, no mínimo cruel e anti-bíblico, isso quando a igreja faz, pior é quando não se faz nada por missões.
As igrejas locais devem compreender que não é uma pequena parte neste processo, pelo contrário, é integrante e responsável pela saúde de seus obreiros. No momento em que descobrirmos, juntos, que nossas igrejas não são apenas celeiros (onde apenas se estocam coisas), mas um organismo vivo que sente, pensa e age, certamente a obra missionária sofrerá um tremendo impacto melhorando vários aspectos. Nossos obreiros serão mais equilibrados e poderão, sem sombra de duvida, realizar mais produtivamente seus ministérios, pois a impressão que tenho é que por causa dessas cobranças muitos se sentem como “funcionários” da igreja, sendo que são instrumentos de Deus, usados para o crescimento do Seu Reino.
Portanto defendo este principio:

Se a igreja tiver um coração grato reconhecendo a graça de Deus em suas vidas, sentirá um desejo profundo e real de fazer algo mais por missões, percebendo o seu importantíssimo papel como igreja de Cristo, por amor a Deus e verdadeiramente começará a enviar e ir, sustentar e orar por missões.
“A igreja que ama missões, possui Corações Gratos, Seus Pés Vão, Suas Mãos Dão e Seus Joelhos se Dobram”


7. BIBLIOGRAFIA

NASSER, Antonio C. A igreja apaixonada por missões. São Paulo: Editora Abba Press, 1995, 79 p.

PIPER, John. Alegrem-se os povos. Trad. Rubens Castilho. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2001, 254 p.

QUEIROZ, Edison. Administrar missões. São Paulo: Editora Vida Nova, 1998, 254p.

SMTH, Oswald. Paixão pelas almas. Trad. João Marques Bentes. São Paulo: Editora Vida,1996, 124 p.

WARREN, Rick. Uma vida com propósitos. Trad. James Monteiro dos Reis. São Paulo: Editora Vida, 2003, 294 p.
CITAÇÕES:
[1] WARREN, Rick. Uma vida com propósitos. Trad. James Monteiro dos Reis. São Paulo: Editora Vida, 2003, p 48.
[2] SMTH, Oswald. Paixão pelas almas. Trad. João Marques Bentes. São Paulo: Editora Vida,1996, p 94
[3] NASSER, Antonio C. A igreja apaixonada por missões. São Paulo: Editora Abba Press, 1995, p 24-25
[4] QUEIROZ, Edison. Administrar missões. São Paulo: Editora Vida Nova, 1998, p. 86 - 89.
[5] QUEIROZ, op. cit. p.137
[6] NASSER, op. cit. p. 48-51
[7] QUEIROZ, op. cit. p. 65-66
[8] PIPER, John. Alegrem-se os povos. Trad. Rubens Castilho. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2001, p. 49
[9] PIPER, op. cit. p. 50

Desafios e mais desafios...

Desafios e mais desafios. Quais são os seus?

Já estamos no final do ano. “Dezembrão” chegou. Oh, maravilha! Muitas bênçãos e lutas, várias vitórias e talvez algumas derrotas e prejuízos. Mas em todas as coisas somos mais que vencedores, sabendo que Deus estava à nossa frente. Mais um ano de vida, um Natal e mais uma passagem de ano. Logo teremos outro acampamento nos dias de carnaval. É interessante como o ano passou voando! Parece que foi ontem que estava em Sorocaba na igreja pastoreada pelo amigo Pr. Carlos Magno, hoje o “Pastor Cacá” (assim para os amigos) comemorando o ano novo.

Toda passagem de ano é sempre a mesma coisa, um momento para reflexão, avaliamos o ano que passou, lançamos novos desafios e em seguida corremos para alcançá-los. No começo deste ano que se iniciou (2008), que era “o novo” e logo será “o velho” também, fizemos a mesma coisa. Final do ano passado (2007), naquela ocasião em Sorocaba, minha oração foi para que Deus mostrasse o que Ele desejava para a minha vida e para o meu futuro, além de outras coisinhas.

Fiz planos, como todos. É assim mesmo, uma pessoa sem metas, sem desafios não luta. Quando estes planos são traçados, uns conseguem atingir seus alvos e superá-los; outros nem chegam perto. Alguns, no entanto, possuem uma boa iniciativa, mas uma péssima “acabativa”.

Quero falar de alguém que é um excelente exemplo para nossas vidas, pois conseguiu atingir seu alvo, vencer talvez um dos maiores desafios da sua vida e que particularmente me sinto motivado para alcançar este mesmo alvo. Acredito que seja o objetivo de qualquer seminarista, missionário (a) ou pastor, e deve ser o de cristãos no mundo todo que ama Jesus. Refiro-me ao Apóstolo Paulo. Um grande homem de Deus, que em certa ocasião disse: “Em nada considero a vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para testemunhar o evangelho da graça de Deus”.

Por ser coerente, o apóstolo Paulo, anos depois, no final da sua vida disse: “Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé”. Que belo final de vida! E os demais testemunhos em relação a este homem são incríveis. Infelizmente muitos ao longo da história estão dizendo: “Acabei com o bom combate, Guardei a Carreira e Combati a Fé”.

Qual é o teu alvo? Quais são os teus desafios? Que o nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, nos ajude a superar nossos desafios. Que todos os nossos sonhos, anseios e desejos sejam para a Honra e Glória do Seu Santo Nome.

No amor de Cristo, Sem. Paulo Berberth
Preparado para a Igreja Batista do Cambuí - Campinas - 09/12/2008

A Opção de Seguir Jesus...


Jorge era uma pessoa inteligente e super agradável. Destacava-se em qualquer modalidade esportiva. Era carismático e muito engraçado, tanto que os adolescentes e jovens da igreja adoravam estar com ele. Na verdade, quando Jorge começou a participar do grupo de jovens tinha 17 anos. Não era muito dedicado e comprometido, apesar da família ser membro da igreja desde quando ele nasceu. Aos poucos sua freqüência começou a aumentar. Ele estava ansioso em aprender mais sobre como seguir a Deus e fazer amizades.

Assim, não demorou muito e estava participando de um grupo de estudos bíblicos da Escola Dominical e de outras atividades da igreja. Logo, tornou-se líder dos jovens e adolescentes incentivando os que tocavam instrumentos e cantavam em louvor a Cristo. Conseqüentemente o grupo cresceu contando com a colaboração de todos. Na igreja todos admiravam Jorge pelo empenho e dedicação. Estava em todo lugar e fazia um pouco de tudo.

Com o tempo, Jorge começou a participar de atividades esportivas da faculdade. Arranjou uma namorada que não era Cristã. Começou a trabalhar numa boa empresa e ter um bom salário. Não demorou muito, comprou um carro “nervoso”, todo equipado com som, rodas e outros acessórios. À medida que tempo passava Jorge se tornava menos ativo no grupo. Porém, não queria que os amigos da igreja pensassem que havia se esquecido deles. Por isso continuava ajudando em algumas tarefas no grupo. Mas tinha tantas outras ocupações que suas tarefas da igreja eram feitas superficialmente. A igreja passou a ser apenas mais um evento social de sua vida agitada e atrapalhada.

Ocasionalmente aparecia no grupo. Houve um dia, não muito tempo atrás, ele veio para animar os mais novos a continuarem ativos. Eduarda, a “Duda” como é conhecida, disse para ele com carinho em particular: “Jorge, você fala muito e age pouco. Nunca faz o que fala. Não tem compromisso conosco, nem com a Igreja e muito menos com Jesus e pra mim, suas palavras não tem valor”. Envergonhado baixou a cabeça, ficou pensativo a respeito do que havia ouvido e foi embora sem dizer nada. Ele queria seguir a Deus como antes, mas sua atual vida não permitia. Jorge teria que abrir mão de muitas coisas para seguir a Jesus Cristo, pois ELE merece sempre o melhor e tem que ser o primeiro.

E você, jovem e Adolescente? Como tem seguido a Cristo? Pensem nisto!

“Aquele que não tomar a própria Cruz e não me seguir, não pode ser meu discípulo” Lucas 14. 27.

No amor de Cristo,

Paulo Berberth.
Preparado para a Igreja Batista do Cambuí - Campinas - 15/02/2009

terça-feira, 19 de maio de 2009

Falta de Gratidão


“Porquanto, o que de Deus se pode conhecer, neles se manifesta, porque Deus lhes manifestou. Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis” (Romanos 1.19-20)

O ser humano tem uma notável capacidade de fazer bobagem, pisar no tomate, derrapar na curva, errar o alvo, ou se preferirem agir como "goiabas"... Sei por mim mesmo, pois a quantidade de coisas que me vem à mente que eu deveria ter feito ou deixado de fazer, acaba se tornando assustadora. Mas nenhum erro pode ser mais danoso a uma pessoa do que negar ou negligenciar a obra de Deus.

Este versículo fala que os atributos de Deus podem ser reconhecidos desde a criação do universo e tudo o que nele existe. Mas certamente Negar o valor do sacrifício salvador de Jesus Cristo na cruz, nas mais variadas formas de negação, é o erro mais grave, mais caro e mais perigoso de todos, pois ao negar a Cristo a pessoa está condenada eternamente. Negamos a essência de vida de Deus toda vez que deixamos de adorá-lo pelo que Ele É, FEZ e FAZ. Negamos e Ignoramos mais ainda quando colocamos o mérito em outras fontes (sabedoria humana, tecnologia, criação espontânea etc...).

Devemos olhar ao nosso redor e nos curvar em gratidão diante do único digno e capaz de criar todas estas coisas que vemos. Devemos nos curvar diante dEle lembrando daquilo que sabemos que existe, mas nossos sentidos não nos permitem ver ou sentir. Devemos nos curvar ao Pai e reconhecer que há muito mais além do que podemos saber, sentir, perceber ou identificar. Só Ele pode receber este reconhecimento, mais ninguém. Vou lhes contar um segredinho, "somos excessivamente limitados”....

Ao deixarmos de fazer isso nos tornaremos indesculpáveis. É como o professor que dá a mesma aula o ano inteiro e no final avisa que a única coisa que cairá na prova será aquela mesma aula. Pode por acaso, o aluno acertar menos do que nota 10? Sendo Ele um professor perfeito e absolutamente inerrante... Pensem nisso.... Gratidão Sempre!!!!

Oração:
"Pai, obrigado por Teu cuidado e por me fazer notar a Tua presença pela Tua obra, não apenas por causa das coisas que criastes, mas principalmente por tua morte na cruz. Ensina-me a reconhecê-lo em todas as coisas, e a contemplar o que é belo, sendo que muitas vezes não vejo, não percebo, não sinto, tudo porque sou insensível demais para perceber. Ensina-me Senhor! Amém."

No amor de Cristo,


Paulo Berberth

segunda-feira, 18 de maio de 2009

Sábias Palavras

"Até um tolo pode passar por sábio e inteligente se ficar calado." (Provérbios 17:28 NTLH)....
“Quando se cala, até o tolo passa por sábio, e o que fecha os lábios, é visto como homem de entendimento” (Alm. Séc. 21)

Atualmente dou aula na EBD para os adolescentes de minha igreja, estamos numa lição que fala sobre o falar. Quem nunca teve problemas com pessoas que disseram coisas e nosso respeito ou para nós que nos causaram dor, ferimentos, magoas, ofensas, nos entristeceram e causaram divisões, calúnias, difamações, contendas. Pelo que percebo, em minha igreja, com os comentários dos meus amigos do seminário, Professores e Pastores. Parece ser constante a média que o ministério pastoral nos apresenta de que de cada 3 problemas de relacionamento interpessoal, dois são causados por palavras e apenas um por atitudes ou omissões.

Vivemos situações distintas porém igualmente tristes, incendiadas pela mesma faísca. QUAL? – A língua – Isso já não era novidade nos dias de Salomão, época em que o livro de Provérbios foi escrito. Palavras Duras ou Suaves, Motivadoras ou Corretivas, Sensíveis ou Imparciais, Sábias ou Imprudentes, Edificadoras ou Destruidoras. Sempre as palavras, sempre elas!. Disse alguém, não sei quem! que elas são como "flecha lançada"¹; não podem mais ser recolhidas ou retiradas. Outra frase pertinente é “A Maledicência mata ao mesmo tempo três pessoas: aquela que a profere, aquela que a padece e aquela que a ouve.”(Luiz Bourdalone).

Por mais que o cristão conheça o perdão e se esforce para andar e olhar para frente, o ferimento aconteceu e se não for tratado infecciona a alma.Não raras são as vezes em que casamentos, empregos, amizades, sociedades, relações familiares, ministérios e missionários - rolam por água abaixo por causa das palavras. Podem ser ofensas, mentiras, agressivas, exagerados, preconceituosas, mal interpretadas. Mas geralmente o cenário é o mesmo: tudo ficaria melhor com o silêncio do que com o que foi dito. Depois de falar, está falado. E se não for coisa boa, fique quieto, se não entendeu muito bem a história, procure saber com a própria pessoa antes de sair falando por aí o que “achou” que ela disse ou pensou. Isso é feio!

A Bíblia nos ensina que a boca FALA aquilo de que o coração está cheio e mais cedo ou mais tarde, se não tratarmos nosso coração, deixamos escapar alguma coisa. A cura e domínio da "dita cuja tão pequenina", está em nosso coração e não em nossos lábios e nossa língua, que são meros instrumentos. Se nosso coração estiver repleto daquilo que produz vida e amor, será impraticável nossa boca transbordar outras coisas. Vamos aproveitar o tempo que nos resta de vida e ter uma nova disposição, uma virada - dentro e não fora - das nossas vidas. Seja Sábio, se tem falta de sabedoria peça a Deus, Ele lhe dará, e ensinará:
Quando Falar;
O que falar;
Como falar;
E se de fato você deve Falar.


Oração:
"Deus querido, embora limitado e fraco como somos, queremos ser diferentes. Ensina-nos a sermos "perfeitos" com a Tua perfeição e não com a nossa, que essa busca seja contínua tanto na minha vida quanto na vida de meus amados irmãos. Para tanto, precisamos de Sabedoria e Amor, para que nossas palavras sejam de edificação e não de destruição daqueles que nos cercam. Ajude-nos! Amém."

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

______________
Nota 1 - Claro que temos este sentido na própria palavra de Deus leia os versículos abaixo:
Jeremias 9.8 “Como flecha mortífera é a língua deles; falam engano; com a boca fala cada um de paz com o seu companheiro, mas no seu interior lhe arma ciladas".
Salmos 64.2-3 “2 Esconde-me da conspiração dos malfeitores e do tumulto dos que praticam a iniqüidade, 3 os quais afiam a língua como espada e apontam, quais flechas, palavras amargas”

sábado, 16 de maio de 2009

Tereis Paz em Mim: Sofrer com Ânimo


Eu vos disse essas coisas para que em mim tenhais paz. No mundo, tereis tribulações (aflições); mas tende bom ânimo; Eu venci o mundo. (João 16.33)

Algumas pessoas insistem em dizer que Jesus, ou Deus, apreciam nosso sofrimento porque isso nos “purifica” e “aperfeiçoa”. Isso é uma mentira, beeem mentirosa!!!. Tá, é inegável que o sofrimento nos faz aprender muitas coisas e creio que Deus o usa também. Mas isso não significa que Ele o aprecie e que Ele deseja nosso sofrimento. É o que retoricamente podemos chamar de mal necessário, ou que “Deus transforma o mal em bem”.

Observe o texto com atenção e não será difícil notar primeiramente a condição para se ter paz, está associada diretamente com “estar unido com Cristo ou em Cristo” Ele diz: “Em mim tereis paz”. Não apenas crendo que Ele existe. Unido não significa apenas perto, nem lembrando que Deus existe, é estar “encostado”, “grudado”, “ligado” (Eu sou a Videira, vós sois os Ramos), o que Jesus fizer, falar e por onde andar, ali devo estar e devo obedecer. É Nele onde encontramos a Paz, Ele me dá a Paz, a verdadeira Paz, a Paz que ultrapassa todo entendimento (Fp. 4.7).

A idéia “vitoriosa” de que crentes não possui problemas, também é erronia. O texto diz: “...No mundo, tereis tribulações (aflições)...”. Basta olhar em volta e nota-se que ao estar vivo convivemos com medos, dores, incertezas, inseguranças, temores, entre outras coisas. Mas não podemos ler metade de uma frase e querer ter uma compreensão completa, até porque neste caso temos um contraponto importante nos recomendando ter coragem, ânimo. Muito mais do que isso, podemos ver todo um cuidado conosco e nos antecipando uma vitória que nós jamais em tempo algum nem de forma alguma, por nós mesmos, poderíamos alcançar.

“Temos por hábito, ver apenas as visíveis dores e não as invisíveis vitórias”.

Somos vitoriosos somente porque Ele (JESUS) quer, pois quem venceu o mundo foi Ele. Mas Seu interesse por nós vai ao ponto de compartilhar conosco esta vitória. A nós, portanto cabe ter coragem, confiança e enfrentar os ardores deste mundo, encarar de frente os desafios com base na fé no Filho de Deus, tendo paz ao andar unido com Ele, para que em tempo oportuno Ele mude nossa realidade. E VAI mudar! Ele venceu o mundo, a morte e os inimigos. O que mais podemos querer?

Oração:
"Pai, obrigado por estender tua vitória ao meu alcance, pois sem Ti nada posso e nada sou. Não quero viver o passageiro como se fosse eterno, estou de passagem, minha pátria não é daqui. Ensina-me a viver assim no cotidiano."

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

quinta-feira, 14 de maio de 2009

“Alguém” se importou com muitos... e você, se importa?

“Então lhes abriu o entendimento, para compreenderem as Escrituras. E disse-lhes: Está escrito que o Cristo sofreria, e ao terceiro dia ressuscitaria dentre os mortos; e em seu nome se pregaria o arrependimento para perdão dos pecados a todas as nações, começando por Jerusalém. Vós sois testemunhas destas coisas. Envio sobre vós a promessa de meu Pai. Mas ficai na cidade, até que do alto sejais revestidos de poder” (Lucas 24:45-49)
Jesus continua a sua missão, à de levar os discípulos crerem Nele e à medida em que Ele esclareceu as Escrituras, Jesus iluminou as mentes dos discípulos. E mais uma vez ele apontou para a necessidade da cruz dentro do propósito de Deus e da pregação do Evangelho. A cruz não foi nenhum acidente ou plano de última hora. Ela estava nos planos de Deus desde a criação do mundo, para Resgate da humanidade. Ela sempre teve um propósito não só para Jesus, mas para nós também. Nossa co-missão é levar a mensagem de Jesus para um mundo perdido, que muito sofrem por não conhecerem o amor de Cristo.

“... Vós sois testemunhas destas coisas” Os discípulos haviam recebido suas ordens – Evangelizar (v.47). Eles eram testemunhas de tudo que ocorreu – Testemunhar (v.48). A co-missão havia sido dada. Eles compreendiam a urgência de levar o Evangelho para um mundo perdido. Mas, ainda faltava-lhes uma coisa – poder do alto, o Espírito Santo, que receberam no dia de pentecostes (Atos 2). Todos os que crêem em teu nome possuem o Espírito Santo.

Se você crê em Jesus Cristo e se diz Cristão, então tem o Espírito Santo, tenho um recado:
- Você tem uma grande responsabilidade diante do mundo perdido. Você e Eu, Nós somos Testemunhas do que Jesus Cristo fez em nossas vidas e na vida de milhares de pessoas ao longo da história. Você e Eu, Nós temos que anunciar este Deus maravilhoso que mudou o nosso ser e deseja fazer isso com muitas pessoas ainda. Que Você e Eu, Nós SEJAMOS Instrumentos nas mãos do Senhor, que nos importemos com esta missão Hoje e Sempre, Para Honra e Glória DELE.

Oração:
“Pai, eu sei que há muitas coisas boas para eu fazer com a minha vida. Mas uma coisa é fundamental – eu preciso levar o Evangelho para todos ao meu redor enquanto o Senhor me permitir. E eu quero! Ajude-me a ser testemunha de Jesus neste mundo que tanto precisa Dele. Ajude-me, por favor, a não virar as costas para a missão na qual o Senhor me designou como Cristão. Mas, ajude-me também a agir e falar sempre sob a sua direção, quando e como o Senhor quer. Obrigado por estar sempre me capacitando e guiando hoje e amanhã e enquanto o Senhor me mantiver aqui. Peço isso também por todos que estão recebendo este e-mails. Em nome do Cristo que eu oro e agradeço. Amém”.

No amor de Cristo,

Paulo berberth

“Alguém” se importou com muitos

E por não crerem ainda, tão cheios estavam de alegria e de espanto, ele lhes perguntou: “Vocês têm aqui algo para comer?” Deram-lhe um pedaço de peixe assado, e ele o comeu na presença deles. E disse-lhes: “Foi isso que eu lhes falei enquanto ainda estava com vocês: Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”. (Lucas 24:41-44)

Jesus é incrível mesmo! Fez o que foi necessário para provar aos discípulos que ELE é ELE mesmo, o Cristo ressuscitado. (Leia os versículos anteriores) Ele explica novamente das Escrituras o que já havia falado tantas vezes antes aos discípulos. E Jesus faz tudo isso com o cuidado e a paciência daquele que fará tudo possível para que possamos crer nele. Como nosso Senhor quer que cheguemos à fé, este é o desejo Dele, que todos creiam em Teu Nome. É importante reconhecer que a base desta fé não foi novas revelações, profecias ou milagres. Foi a mesma fonte que temos até hoje – a Bíblia. Ele disse: “Era necessário que se cumprisse tudo o que a meu respeito está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos”.

Você teria dúvidas? Os discípulos também tiveram. Você teria medo? Os discípulos também. A solução? Chegue mais próximo de Jesus. Hoje não podemos tocar sua mão nem enxergar seus olhos, assim como os discípulo tiveram a oportunidade naquela ocasião, mas Ele está perto de todos que querem conhecê-lo. Se tivermos vontade, ele se revelará a cada um de nós de forma surpreendente. Ele se comunica e Ele responde a cada um. Mostre a Ele sua vontade de conhecê-lo e você o verá, o sentirá, porque o que Ele mais deseja é estar dentro do seu coração.

JESUS se importou com os discípulos e com muitas pessoas no passado, mas Ele ainda continua se importando hoje, se importou comigo e com você para esclarecer o seu propósito Salvador. Uma prova disto? Oras... este texto! Como eu, Paulo Berberth, saberia de Jesus e teria estas informações se ELE não tivesse num belo dia se revelado a mim quando desejei entender o propósito da sua Salvação e compreendendo pedi para ele entrar em meu coração. Eu compreendi que Ele é o Senhor e Salvador e Ressuscitou, Morreu por mim e crendo Nele estarei um dia no Céu. Você já entendeu isso?

Oração:
“Meu Deus, eu quero lhe agradecer porque o Senhor tem me dado todas as provas necessárias, através de fatos históricos, profecias cumpridas para crer em Jesus, e o fato Do próprio Deus estar dentro de mim através do Espírito Santo que me guia e me ensina o que fazer no dia à dia. Ajude-me a valorizar a sua Palavra e Jesus que se revela por meio dela. Ele é a prova maior não só de que eu devo crer, mas, em quem eu preciso crer. Eu lhe agradeço em nome de Jesus. Amém”.

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

Planos, Fazer ou não?


“Em seu coração o homem planeja o seu caminho, mas o Senhor determina os seus passos.” (Provérbios 16:9)

Quantas decisões erradas tomei em minha vida, até mesmo no auge da minha ignorância teológica aliada à imaturidade dos poucos anos de conversão, somada à cabeça-dura que todo jovem insiste em ter... Ufa! Como Sofri com as decisões erradas... mas também... Obaaaa! Como pude perceber a ação de Deus corrigindo meus planos, pondo-me na direção correta que Ele almejava.

Pois é, só que infelizmente existe uma distorção teológica que leva muitas pessoas a acharem que não devem fazer planos, pois devemos andar na “dependência” da direção de Deus. Fazer planos (segundo esta interpretação) seria ir contra a vontade de Deus, já que isso nos faria seguir um caminho determinado por nós mesmos e não o Dele. Para estas pessoas, esta passagem de Provérbios soa com advertência para não fazer planos. “Veja”, elas diriam: “não podemos fazer planos porque é Deus que deve determinar nossos passos”.

*** Quais implicações e consequências podem ter este pensamento?

Penso que se não tiver a liberdade para fazer meus planos, eu veria Deus como um Deus manipulador e eu seria apenas um fantoche em suas mãos. Irmãos, sinceramente? Não consigo ter esta imagem de Deus. Pois vejo um Deus de Amor que nos da liberdade de decidir todas as coisas de nossas vidas, isso chama-se “livre-arbítrio”. A liberdade que Deus nos dá é uma das coisas mais lindas dos seus atos, pois Ele procura adoradores verdadeiros que desejam buscá-lo e não robôs prontos para adorá-lo, da mesma forma Ele nos ensina e a decisão é nossa.

Esta passagem está descrevendo uma pessoa que anda na confiança de que Deus o está acompanhando em tudo o que ela faz (diferente de Deus tomar a decisão por ela) e que pode fazer planos sem preocupação, pois o Senhor a dirigirá. Como funciona então? Ora, se houver falhas em seus planos, o Senhor as corrigirá. Quando houver riscos, ele avisará. Se o plano não for da vontade Dele, Ele o fará saber. Há diversas maneiras de Deus intervir em nossa vida, e nem sempre será com um anjo, uma mula ou quem sabe com uma mão escrevendo na parede. Na maioria das vezes será com o puro bom senso da sabedoria da Sua Palavra aplicada ao dia-a-dia. Simples olhe para a Bíblia, aí você saberá a vontade de Deus. Faça planos, sonhe, desenhe projetos, rabisque esboços, se for casado converse com seu cônjuge sobre o futuro. E descanse na promessa de que Deus dirigirá cada passo que for bênção para você.

Oração:
“Senhor, nos de sabedoria para tomar as decisões que precisamos tomar em nosso dia à dia, nos ajude a discernir através da tua palavra quais são os planos que o seu coração deseja que sonhemos e pratiquemos, para assim, estarmos dentro da sua vontade. Amém.”

No amor de Cristo,

Paulo Berberth

Semente Cem Por um

Semente Cem Por um

"Outra (parte da semente) ainda caiu em boa terra. Cresceu e deu boa colheita, a cem por um”. Tendo dito isso, exclamou: “Aquele que tem ouvidos para ouvir, ouça!”... Mas as que caíram em boa terra são os que, com coração bom e generoso, ouvem a palavra, a retêm e dão fruto, com perseverança." Lucas 8.8 e15

Estive pensando nestes 2 versículos e me questionei em algumas coisas:
Como é que uma semente pode produzir a cem por um?
Você já conheceu um Cristão que foi usado por Deus na conversão de cem pessoas?
Então existem alguns evangelistas e pregadores super dotados?
Isso pode acontecer na vida de qualquer um CRISTÃO?

Sim! Pode! Se um Cristão se deixar ser usado por Deus ao longo de sua vida, digamos que um cristão ensine dez pessoas sobre Jesus e eles se convertem; e se cada um destes dez ensinem mais dez pessoas, esse elas se converterem, já chegará a 100 em duas gerações. Mesmo sem cálculos matemáticos, eu conheço famílias de Cristãos que ao longo de algumas gerações foram usadas por Deus para levar centenas de pessoas a conversão. Isso é Maravilhoso! E minha ênfase não está na quantidade, mas sim na disposição de cada um de nós que somos CRISTÃOS em trabalhar na obra de Deus, investindo no Reino, Lembro-me das palavras do apóstolo Paulo: “ Tudo Faço por causa do Evangelho, para dele me tornar co-participante” 1Co 9.23.
Cada um de nós tem o potencial de ser usado por Deus na conversão de cem ou mais pessoas. Mas, temos que perseverar. Temos que continuar semeando o Evangelho, porque é a Fé vem Pelo ouvir e ouvir a Palavra de Cristo, que é o Evangelho. É Deus quem dá o crescimento, você será instrumento.
Será que tem uma colheita a cem por um só esperando você falar com seu colega ou vizinho?
Queridos aproveitem as oportunidades. Afinal, “que diferença você faz, se você não faz diferença?”

Oração:
“Senhor poderoso, dono do céu e da terra, use-nos para levar a poderosa mensagem do Evangelho para cada pessoa que o Senhor tem colocado ao nosso alcance. Seja parentes, vizinhos, colegas ou até mesmo estranhos, ajude-nos a sentir o amor que Jesus sente pelos perdidos, assim como um dia fomos alcançados por este amor. Que tenhamos a coragem para anunciar o Evangelho a todos. Em nome de Jesus que oramos. Amém!”.

No amor de Cristo,

Paulo Berberth